Trump e a mentira fascista

Esta forma de deformar a realidade tem um precedente na história da mentira fascista. Trump está usando esta crise para promover sua marca de autoritarismo, posicionando-se não como um funcionário eleito, mas como um líder que possui a verdade e cuja autoridade é “total”.

Trump & Twitter, Trump vs. Twitter…

O Twitter e o Facebook são meras plataformas ou verdadeiros meios de comunicação? Um trabalhador e um magnata, uma organização secreta e uma associação civil, um simples cidadão e o presidente de um país podem circular e intervir neles livremente e em igualdade de condições?

Danos antropológicos brasileiros

Um tipo de dano antropológico tem se revelado no Brasil nos últimos meses, pois uma estreita relação entre a pandemia e as particularidades da vida política diária tem progredido. Pode-se pensar que o vírus veio em um mau momento, que o país não estava totalmente adaptado no seu presidente.

Ler a globalidade para entender a pandemia

Em poucas semanas, a enfermidade apareceu em pequenas aldeias da selva amazônica ou no deserto do Saara. No entanto, o vírus não avançava pelo mundo de maneira homogênea. Como se estivéssemos diante de uma suposição cartográfica, o mapa da pandemia reproduzia em suas linhas gerais a geografia da globalização.

Nem só de vírus morre a sociedade

Em meio à gravíssima pandemia do Covid-19, aprofunda-se uma contínua crise política. Uma mudança de envergadura em momento tão crítico revela falta de compreensão sobre a gestão da saúde de um modo geral e sobre os consequentes impactos que essa ação causa na informação direcionada à população.

A martelagem digital para não perder o ano letivo

Os últimos 60 dias colocaram à prova o modelo educativo em vigor em todo o mundo. No contexto latino-americano, as condições de confinamento tornaram necessárias soluções urgentes, apesar das profundas limitações na oferta de educação pública da região.

De democracias fatigadas a democracias em quarentena

O ciclo político que começou a surgir depois da morte de Hugo Chávez e da queda dos preços das matérias-primas está mostrando sinais claros de fadiga. Havia indícios perceptíveis em democracias de outras latitudes, e sem origens latino-americanas, mas aqui ressurgiram traços de pobreza nas instituições.

Infodemia e conspiranoia

As narrativas da nova guerra fria estão se alimentando da Covid-19. Enquanto governos e sociedades fazem o que podem para enfrentar uma pandemia planetária que apagou as fronteiras entre Ocidente e Oriente, Norte e Sul, há que escorar essas fronteiras sem que isso nos leve a uma confusão ainda maior.

A menina e a fumaça

Na sexta-feira, sem que ninguém esperasse, a menina falou. Vestia uma camiseta azul, seus cabelos estavam soltos, e manejava o microfone como o mais experiente dos locutores. Disse que foi ao céu com a missão de averiguar se aquilo que havia escutado no rádio era certo. Que o mundo acabaria no dia 21 de abril.

E as ruas se esvaziaram

A pandemia gerada pela Covid-19 com capacidade inédita de atingir todos os quadrantes do planeta, mudou drasticamente a agenda das coisas. De uma perspectiva latino-americana há três aspectos que requerem consideração por haverem confluído no esvaziamento das ruas.