Precisamos falar da Bolívia

Falar sobre a Bolívia é uma garantia de que haverá controvérsia. Quando qualquer questão é abordada de uma perspectiva crítica e emancipatória, as disputas dentro de setores sociais organizados, da esquerda e de intelectuais latino-americanos críticos são impressionantes.

O retorno do MAS (e Evo Morales)

O curto verão do bloco anti-MAS na Bolívia durou quase um ano, já que o novo presidente eleito, Luis Arce Catacora (MAS), terá que prestar juramento nos próximos meses. O possível retorno de Evo Morales gera alegria para alguns e desconforto para outros, mas o triunfo de seu candidato é uma prova de seu sentido política.

O autogolpe frustrado na Bolívia

Os acontecimentos políticos na Bolívia vêm sendo muito dinâmicos nas últimas semanas. Desde o dia 20 de outubro, o dia da eleição presidencial, e à luz dos resultados preliminares, foi- se desencadeando um conjunto de interpretações, da parte da oposição e da situação.

O que nos diz o populismo?

O termo “populismo” é usado hoje em dia como referência a uma ampla gama de líderes, movimentos, partidos e governos, desde o Fidesz, de Viktor Orban, um partido de ultradireita, até o movimento esquerdista anti neoliberal liderado por Evo Morales, passando por Bolsonaro, que glorifica o governo militar no Brasil.

Por que Evo Morales não quer debater?

Há quase oitenta dias, o candidato presidencial da Bolívia Carlos Mesa convidou Evo Morales para debater. A resposta não demorou a chegar, o próprio presidente e seus porta-vozes disseram publicamente que Evo estava acostumado a debater diretamente com o povo. O que exatamente significa debater com o povo?

Que os candidatos menores renunciem, na Bolívia!

O ex-presidente boliviano e agora ex-candidato à presidência Jaime Paz Zamora renunciou à sua candidatura, esboçando mais uma daquelas frases que ficam gravadas na memória coletiva dos seus compatriotas: “Esbarrei em um muro de gelo e em uma visão política do século passado”

Evo e a lição de Roosevelt

Já sabíamos: Evo Morales quer continuar sendo presidente. Muitos bolivianos decerto desejam que ele prossiga. Mas não uma maioria nítida (51%) daqueles que votaram no referendo convocado pelo governo em 2016 para decidir sobre permitir a reeleição ilimitada, ao contrário do que dispõe o artigo 168 da constituição boliviana.

Bolivianos encaram quarta candidatura sucessiva de Evo

A decisão do Tribunal Eleitoral boliviano, na semana passada, de dar luz verde à chapa oficial nas eleições primárias de janeiro, e com isso habilitar Evo Morales a disputar sua quarta eleição presidencial consecutiva, foi recebida com protestos dos cidadãos nas redes sociais e nas ruas

Nossa Newsletter