Uma região, todas as vozes

L21

|

|

Leer en

Tentativa de golpe de Estado ou dramatização política?

A situação complexa em que o presidente se encontra, aliada a uma tentativa de golpe com poucas chances de êxito liderada por um aliado ideológico do governo, levanta suspeitas em certos setores.

As forças militares invadiram a Plaza Murillo em La Paz na quarta-feira, 26 de junho. O centro político da Bolívia se transformou em um centro midiático nacional e internacional por algumas horas e a psicose se apoderou dos bolivianos em diferentes partes do país. O evento trouxe as piores lembranças à mente de quem viu a quarentona democracia boliviana nascer.

Juan José Zúñiga (comandante do Exército das Forças Armadas até o dia anterior ao levante, ex-homem de confiança do presidente e preso por atos de corrupção durante o governo Morales) tornou-se o protagonista da política boliviana quando um tanque militar irrompeu os portões do Palacio Quemado (antiga sede do governo) e, durante três horas, tentou tomar o poder.

Mas essa foi uma tentativa real de golpe de Estado para redirecionar o curso do governo ou uma dramatização política para melhorar a imagem do presidente Arce? Segundo o relato, o perpetrador pôs em risco, mediante táticas ilegais, a democracia boliviana. Outra leitura poderia ser a de uma atuação em que o titereiro usou suas marionetes para ganhar popularidade.

A circunstância política

Na segunda-feira, 24 de junho, Zúñiga (hoje destituído, detido e acusado de terrorismo e levante armado contra a soberania do Estado) emitiu uma opinião política perturbadora: que não estava de acordo com a candidatura de Evo Morales à presidência e que, além disso, se necessário, o prenderia. Essa declaração provocou sua demissão pelo Presidente Arce, que o dispensou na terça-feira, 25 de junho. Ele, no entanto, seguiu cumprindo suas funções oficiais e não entregou seu cargo, causando mal estar entre alguns membros das forças armadas.

No momento de sua prisão, no dia do ataque ao Palácio Quemado, Zúñiga se justificou e estabeleceu sua condição de agente estatal para, paradoxalmente, “restabelecer a democracia” pela força. E, para ganhar a simpatia popular da oposição, propôs liberar os presos políticos, incluindo Luis Fernando Camacho e Jeanine Áñez.

Mas, em declarações entre empurrões e antes de ser preso, Zúñiga afirmou: “o presidente me disse que a situação estava péssima e que precisava de algo para aumentar sua popularidade”. Ele teria proposto levar os blindados às ruas, com a concordância de Arce. Acreditável ou não, na Bolívia, a veracidade dos relatos depende do ponto de vista no qual se observa os fatos.

Conjuntura pré-eleitoral

A divisão interna do MAS determinou uma nova configuração no cenário formal da política (Assembleia Plurinacional). As relações de força são favoráveis à facção evista e às alianças de oposição Creemos (Camacho) e Comunidad Ciudadana (Mesa) porque têm o poder de neutralizar as iniciativas legislativas presidenciais.

Esse rearranjo das forças parlamentares (acordo entre Evistas, Camachistas e Mesistas) força o vice-presidente Choquehuanca, mediante o mecanismo de manipulação, a fazer todo o possível para evitar a convocação e execução de novas eleições judiciais. Enquanto isso, Arce tenta equilibrar essa situação complicada para o executivo no parlamento – o que se conhece conceitualmente como governo dividido – com a politização do Tribunal Constitucional (auto-extendido a partir de 1º de janeiro de 2024): um recurso de poder ou mecanismo coercitivo que dá legalidade às suas decisões políticas quando se trata de atacar seus oponentes. Apesar disso, essa é uma conjuntura muito desfavorável para o Poder Executivo, pois não só lhe falta apoio na Assembleia e nas ruas, como também lhe faltam dólares.

Contexto socioeconômico

Em ambos os cenários – perpetrador e vítima, titereiro e fantoche – a crítica situação econômica e o correspondente descontentamento social são o pano de fundo. A queda na produção de gás natural, a escassez de dólares, a distribuição irregular de combustível, entre outros problemas, geraram inquietação nos setores populares e na classe média, o que afetou a popularidade de Arce. Segundo a pesquisa Gallup (maio de 2024), a aprovação da gestão presidencial é de 18%, uma das mais baixas da América Latina.

A partir do relato de “tentativa de golpe”, o ataque dos militares busca destruir os valores e as instituições da democracia e interromper o mandato presidencial. Já sob a perspectiva da narrativa da “dramatização política”, o general se prestou a um jogo tático para fortalecer o presidente como o principal representante da democracia ameaçada.

As relações de forças no parlamento, a divisão interna do MAS e os problemas socioeconômicos são o contexto no qual o ataque militar ao Palácio Quemado foi projetado e desenvolvido: Zúñiga é a consequência insuspeita de um espaço-tempo tenso, não o rebelde com uma causa em um momento crítico.

Quase ninguém quer um golpe de Estado e quase todos apoiam a democracia. No entanto, a situação complexa em que o presidente se encontra, aliada a uma tentativa de golpe com poucas chances de êxito liderada por um amigo e aliado ideológico do governo, levanta suspeitas.

Na Bolívia, somos conhecidos por gerar eventos políticos surpreendentes, ainda mais quando a coalizão dominante está fragmentada. Mas, além da produção de narrativas, os fatos são vergonhosos (institucionalmente) a nível internacional e desequilibrantes (politicamente) a nível nacional.

Autor

Cientista político. Membro do Centro de Pesquisa Política da Faculdade de Direito da Universidad Autónoma Gabriel Rene Moreno (Santa Cruz de la Sierra). Publicou o ensaio "Rebelión y Pandemia". Proceso político-electoral en Bolivia 2019-2020" Edited by Plural.

spot_img

Postagens relacionadas

Você quer colaborar com L21?

Acreditamos no livre fluxo de informações

Republicar nossos artigos gratuitamente, impressos ou digitalmente, sob a licença Creative Commons.

Marcado em:

COMPARTILHE
ESTE ARTIGO

Mais artigos relacionados