Uma região, todas as vozes

L21

|

|

Leer en

Afrodescendentes e desigualdade na América Latina

De acordo com os censos nos vários países da América Latina e do Caribe, a população de descendência africana na região em 2010 foi estimada em 111 milhões de pessoas, ou 21,1 por cento da população total. No entanto, para o relatório Panorama Social da América Latina, edição 2016 da CEPAL, devido às limitações que ainda persistem na região na quantificação dessas populações consideradas minorias, estima-se que em 2015, havia pelo menos 130 milhões de afrodescendentes na região.

A falta de precisão na composição racial da região mostra como a desigualdade étnico-racial, assim como a desigualdade socioeconômica, de gênero ou territorial, “constitui um dos eixos da matriz de desigualdade social na América Latina”. A região é a mais desigual do mundo e isso se reflete em várias esferas do desenvolvimento social, incluindo status socioeconômico, saúde, educação e trabalho. Por exemplo, nos quatro países para os quais existem informações disponíveis, há uma concentração significativamente maior da população afrodescendente na faixa de menor renda.

Na área da saúde, um dos indicadores que mais destaca a desigualdade entre as pessoas de origem africana e o resto da população são as taxas de mortalidade infantil. Com exceção da Argentina, a probabilidade de uma criança de descendência africana morrer antes de atingir um ano de idade é maior do que a dos não afrodescendentes. As maiores brechas são encontradas na Colômbia, Uruguai, Panamá e Brasil, países onde a probabilidade é entre 1,6 e 1,3 vezes maior entre as crianças afrodescendentes do que entre as crianças que não pertencem a esse grupo racial.

as taxas de desemprego entre os afrodescendentes são mais elevadas do que entre os não afrodescendentes na maioria dos países considerados.

As desigualdades étnico-raciais também se manifestam na educação, onde a proporção de jovens negros entre 18 e 24 anos que frequentam a escola é inferior à percentagem de jovens pertencentes a outras raças. De acordo com o mesmo relatório da CEPAL, o fosso aumenta no caso da frequência do ensino superior. No que respeita ao mercado de trabalho, as taxas de desemprego entre os afrodescendentes são mais elevadas do que entre os não afrodescendentes na maioria dos países considerados. Por exemplo, os rendimentos dos homens negros com educação superior representam apenas 73% dos homens que não são afrodescendentes.

Apesar das desigualdades persistentes, foram tomadas medidas desde meados do século passado e foram assumidos compromissos internacionais para tentar inverter a situação. Mas foi nos últimos 15 anos, após a Conferência Mundial contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e a Intolerância Conexa, realizada em 2001, que a pressão dos movimentos sociais e de diferentes organizações internacionais levou os governos da região a fortalecer os mecanismos relacionados às populações afrodescendentes. 

Nos últimos anos, alguns países reformaram a sua legislação para combater o racismo e promover a igualdade. Algumas dessas políticas envolvem a reserva de cotas para afrodescendentes em universidades e locais de trabalho. Além disso, de acordo com o relatório da CEPAL, foram implementadas políticas como o estabelecimento de dias oficiais de celebração da afrodescendência e o ensino da história e da cultura africanas. E, em alguns países, a participação das organizações afrodescendentes nas decisões é incentivada, “através da articulação, ainda que incipiente, dos mecanismos governamentais”.

Apesar do progresso, as lacunas entre os marcos legais e a vida quotidiana das pessoas de ascendência africana permanecem profundas. E, na verdade, ainda há países que não dispõem de regulamentação a este respeito.

Foto de Comisión Interamericana de Derechos Humanos em Trend hype / CC BY

Autor

jeronimogiorgi@hotmail.com | Otros artículos del autor

Fundador de Latinoamérica21. Jornalista. Mestre em Jornalismo pela Universidade de Barcelona e em Estudos Latino-Americanos pela Universidade Complutense de Madri.

spot_img

Postagens relacionadas

Você quer colaborar com L21?

Acreditamos no livre fluxo de informações

Republicar nossos artigos gratuitamente, impressos ou digitalmente, sob a licença Creative Commons.

Marcado em:

COMPARTILHE
ESTE ARTIGO

Mais artigos relacionados