A incerteza reina no Chile

A previsão das eleições presidenciais e parlamentares no Chile parece-me um exercício infrutífero. Durante muito tempo, as previsões das pesquisas foram geralmente bastante fiáveis, mas isso foi em uma outra época. Nesse Chile mais previsível, as instituições políticas funcionavam regularmente e gozavam de níveis de confiança aceitáveis. Nas últimas décadas, contudo, começaram a aparecer gradualmente sintomas de cansaço do sistema político, tais como a diminuição da participação nas urnas e a perda de confiança nas instituições. O desinteresse político foi alimentado em parte pelo distanciamento programático dos partidos em relação aos cidadãos e reforçado pelos escândalos de corrupção que expuseram a relação entre os negócios e a política. 

Para inverter esta situação e reconquistar os cidadãos, foram procuradas reformas. Em 2012, numa tentativa ilusória de melhorar a baixa aderência às urnas, foram introduzidos o registo automático e o voto voluntário. Em 2015, a forma de eleger os nossos congressistas foi alterada do sistema binominal, com baixos níveis de concorrência, para um sistema proporcional que permitiu o acesso a novos partidos políticos, aumentando a fragmentação partidária e tornando mais difícil a relação entre a presidência e o congresso.

Seria possível discutir o lado bom e o lado ruim destas reformas, mas a questão é que essa mudança de época, que começamos a experimentar há algum tempo, nos manteve a todos no escuro e deixou claro que a deusa da fortuna está agora dominada. O Chile costumava ser um país de certezas e as pessoas habituaram-se a isso. Mas as certezas desapareceram. Assim, os diferentes candidatos oferecem tudo, desde a construção de um país de sonho até à restauração da ordem perdida.

Mas a parte triste desta história é que, independentemente do resultado eleitoral, a incerteza política não será dissipada pelo próximo presidente, por melhor intencionado que ele ou ela sejam. Hoje o Chile encontra-se num período de transição e vários fatores têm que resolvidos para que o país recupere alguma estabilidade e, com ela, a certeza.

Neste momento, a situação no Chile é tal uma pessoa na casa dos 40 ou 50 anos que não tem a certeza se a sua pensão será administrada por uma instituição pública ou privada, e muito menos se irá ao encontro das suas expectativas. A mesma incerteza pode ser projetada na área da saúde e da habitação, uma vez que os programas dos candidatos oferecem propostas díspares.

Os programas políticos dos diferentes candidatos variam desde mudanças profundas em todas as áreas da sociedade até à manutenção do sistema existente, mas com pequenas melhorias. Nenhum deles, contudo, afirma claramente a capacidade política e econômica para levar a cabo essas mudanças.

A isso junta-se a incerteza em torno da Convenção Constitucional (CC). O CC tornou-se o repositório das esperanças de muitas pessoas para resolver os problemas ou resolver a crise política que o país tem enfrentado desde outubro de 2019. Mas o seu funcionamento, até agora, não tem estado livre de questionamentos. Ninguém sabe como tal experiência irá terminar, especialmente dada a forte presença de convencionais representantes de movimentos políticos que até agora não tinham representação formal no sistema político, o que torna difícil prever o seu futuro.

Independentemente do resultado positivo ou negativo do plebiscito de saída, teremos de esperar que esta nova ordem legal se instale. Especialmente quando muitos dos seus membros abraçam um espírito refundador para escrever a nova Carta Magna. Nesse sentido, qualquer inovação política levará tempo para decantar e pode vir a um custo elevado. Num cenário menos provável, face a uma eventual rejeição da nova constituição, será necessário ter um plano B para restaurar a confiança e a legitimidade no sistema político. Um plano que atualmente não está sendo considerado.

Ainda mais importante é a atual fragmentação política. Essa atomização não contribuiu para forjar coligações estáveis que permitissem ao sistema político funcionar de uma forma ordenada e estável. Hoje, as coligações tradicionais como Nuevo Pacto Social e Chile Podemos +, a antiga Concertação e Alianza são um triste reflexo da disciplina partidária alcançada a partir dos anos 90, desprovidas de ideias e eleitoralmente fracas, pelo menos nas eleições presidenciais.

Na coligação Apruebo Dignidad, pode prever-se uma relação complexa entre a Frente Amplio e o Partido Comunista. E à direita, está surgindo um Partido Republicano com um candidato presidencial bem perfilado, mas ainda com um pequeno partido sem uma presença significativa no Congresso.

Assim, a realidade política do Chile combina uma incapacidade cognitiva dos partidos políticos para compreender os problemas que afligem o país e uma falta de propostas programáticas e eleitorais viáveis. Face a um cenário incerto, os atores políticos, tanto da direita como da esquerda, agarraram-se sem reservas a qualquer proposta que possa gerar ganhos eleitorais imediatos sem pensar no futuro. Assim, nos últimos dias, assistimos a ações tão questionáveis como a aprovação de retiradas de fundos de pensões e a acusação constitucional mediática contra Piñera, apenas alguns meses antes da entrega do poder.

No final, a eliminação dessa incerteza será um processo a longo prazo que não será resolvido nas próximas eleições presidenciais e parlamentares. As bases do sistema político chileno estão em movimento e é evidente que seu assentamento ainda levará tempo.

* Tradução do espanhol por Dâmaris Burity

Nossa Newsletter

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com