Arendt, Trump e a mentira na política

Como as pessoas podem acreditar em tantas mentiras? Como pode uma grande parte dos americanos apoiar um senhor da guerra populista que coloca a mentira no centro da política? Todos os políticos mentem, mas Donald Trump, como Jair Bolsonaro no Brasil ou Rodrigo Duterte nas Filipinas, têm se caracterizado como presidentes de urnas que não tiveram problemas em usar a mentira como uma ferramenta política sistemática.

Que melhor exemplo então para analisar esta irracionalidade do que para estudar a ideologia do fascismo. O fascismo não era uma mentira simples e atroz, mas um conjunto de falsidades vividas e acreditadas por milhões de pessoas. E isto é precisamente o que uma pensadora central como Hannah Arendt queria entender.

Como muitos anti-fascistas, Arendt queria entender porque tantas pessoas estavam convencidas de que a ideologia fascista representava uma verdade. Como ela, devemos pensar seriamente nas mentiras de nosso presente, particularmente aquelas que negam os efeitos e até mesmo a própria pandemia, como fazem Trump e Bolsonaro, inclusive promovendo a ingestão de curas milagrosas.

Por que Trump não usa sua máscara em público? Como muitos de seus acólitos, sem dúvida alguns fascistas proeminentes eram hipócritas e mentirosos que conceberam a ideologia como uma ferramenta de propaganda. Mas nesse caso, por que, como é possível que seus líderes mais importantes e muitos de seus apoiadores muitas vezes tenham seguido essas mentiras e propaganda até o fim, a ponto de morrer por eles? Quem morre por uma mentira?

Em 1945, Arendt observou que o fascismo era uma mentira absoluta, uma mentira com efeitos políticos horrendos. Os fascistas transformaram deliberadamente a mentira em realidade. “O essencial era que eles explorassem o antigo preconceito ocidental que confunde a realidade com a verdade”, escreveu ele, “e tornassem “verdadeiro” o que até então só podia ser descrito como uma mentira.

Para Arendt, a realidade é maleável, transformável, mas a verdade não é. As discussões com os fascistas não faziam sentido para ela. Na realidade, os fascistas procuraram dar às suas “mentiras” uma “base pós-facto na realidade”, destruindo a verdade, não escondendo-a.

Na opinião de Arendt, esta forma de política ideológica leva inexoravelmente à obliteração da realidade tal como a conhecemos. A mentira fascista produziu uma realidade de fantasia. Mas a própria interpretação de Arendt sugere que a destruição da verdade foi impulsionada pela crença no que os fascistas conceberam não como uma simples mentira, mas como uma verdade mais transcendental.

Os nazistas não fizeram distinção entre fatos observáveis e “verdades” ideologicamente orientadas. As conseqüências mais radicais da ditadura totalitária vieram quando “os líderes de massa tomaram o poder para moldar a realidade a suas mentiras”.

Anos mais tarde, em seu controvertido estudo de um dos planejadores do Holocausto, Adolf Eichmann, Arendt forneceu uma visão fundamental de seu raciocínio que simbolizava o fenômeno do “extremo desrespeito aos fatos como tais”. Arendt equiparou a adesão à mentira de Eichmann com uma sociedade inteira “protegendo-se contra a realidade e a factualidade com exatamente os mesmos meios, auto-engano, mentiras e estupidez, que agora tinham sido inoculados na mentalidade de Eichmann.

Arendt perdeu de vista uma importante dimensão do processo para Eichmann, que ocorreu há 60 anos: a perspectiva da verdade tal como apresentada pelas vítimas. Seu retrato de Eichmann também carecia do profundo compromisso ideológico, até mesmo do fanatismo do homem. Mesmo no momento de sua morte, Eichmann declarou cerimoniosamente: “Viva a Alemanha, viva a Argentina, viva a Áustria”. Não vou esquecê-los. Arendt descreve a alegria de Eichmann com o significado de sua própria morte como um momento de “grotesca estupidez”.

Mas para Arendt esta consciência era um sinal de uma representação estereotipada do momento, não de sua compreensão ideológica. Em sua descrição, as últimas palavras de Eichmann foram “clichês”: a banalidade do mal.

Mas na realidade, seu passado nazista e seus crimes foram o resultado do profundo compromisso de Eichmann com o que ele considerava ser a verdade ideológica essencial do nazismo. Eichmann viu sua vida e morte como uma memória que foi além de sua viagem transatlântica entre múltiplas cidades, de Berlim a Buenos Aires e de Buenos Aires a Jerusalém.

Os historiadores do fascismo também precisam entender como os fascistas justificam suas mentiras, e isso poderia nos ajudar a entender as mentiras políticas do presente.

Os historiadores do fascismo também precisam entender como os fascistas justificam suas mentiras, e isso poderia nos ajudar a entender as mentiras políticas do presente. Por que os fascistas e agora os líderes de extrema direita pós-fascista como Trump e Bolsonaro acreditam que suas mentiras estão a serviço da verdade ou mesmo estão a serviço da verdade?

Como Arendt apontou, a história da ditadura foi baseada em mentiras. O imaginário mítico que os fascistas colocavam como realidade nunca pôde ser corroborado porque se baseava em fantasias de domínio total no passado e no presente. A mesma situação é operativa no presente com as atuais tentativas de negar ou minimizar a pandemia. E, como no caso do fascismo, o resultado destas mentiras é letal.

*Um texto originalmente publicado em Clarin, Argentina

Foto de Gage Skidmore em Foter.com / CC BY-SA