Uma região, todas as vozes

L21

|

|

Leer en

O efeito eureca e as relações entre a União Europeia, a América Latina e a China

Coautora Pamela Aróstica

A implantação do renovado poder chinês no mundo mobiliza recursos, desperta vontades, reconfigura alianças, inquieta líderes ocidentais, redireciona estratégias e modifica percepções por parte de personalidades e entidades estatais, comunidades empresariais e até mesmo molda a opinião pública mundial, dividindo vozes a favor ou contra. Assim, particularmente na Europa e nos Estados Unidos, houve um efeito eureca, que mostra que o poder da China não é neutro em escala política, social e econômica, e ameaça seus interesses.

Na América Latina e no Caribe (ALC), a presença da China, por meio de empresas, institutos de formação, redes acadêmicas e meios de comunicação, incrementou sua influência nos âmbitos público e privado (em escala regional), provocando uma profunda atração sobre sua exitosa trajetória econômica, que se baseia em um rígido sistema político unipartidarista e no epicentro de uma ordem “heliocêntrica” em torno da qual giram as nações desenvolvidas e em desenvolvimento.

Sob essa perspectiva, a III Cúpula de Chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE) e da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), realizada em Bruxelas nos dias 17 e 18 de julho de 2023 (após um intervalo de oito anos), é um indicador claro da simultaneidade dos efeitos eureca que a China produziu.

Em primeiro lugar, a própria Europa mudou seu posicionamento mundial e sobre a China; a Europa comunitária parece querer recuperar um perdido status de “ator global” depois de ter passado por profundas crises econômicas, divisões como o Brexit e, atualmente, a guerra na Ucrânia.

O “despertar europeu” foi (e está sendo) traumático; Após décadas de tentativas de um modus vivendi com a Rússia de Vladimir Putin, a permissividade de seu avanço para o oeste (a anexação da Crimeia e a invasão da Ucrânia) demonstrou claramente o fracasso da “estratégia de apaziguamento”, expondo a vulnerabilidade e a dependência europeia em relação a governantes autocráticos, que, em repetidas ocasiões e pela voz de estrategistas e intelectuais, expuseram tanto uma “potência emergente” ávida por restauração (como parte do imaginário chinês) quanto o “enfraquecimento da Europa comunitária”, ou seja, a OTAN.

O epicentro desse efeito parece ser a Alemanha. A primeira potência econômica europeia e o principal parceiro comercial da China na UE parece estar acordando de sua longa letargia e reconhecendo, por meio da publicação de sua strategy on China, a necessidade de combinar prudência estratégica e garantias de segurança (alimentos e energia) por meio de uma pragmática gestão comercial com o dragão asiático.

Trata-se de uma abordagem que reafirma as estratégias de “de-risking” (a eliminação do risco por meio da restrição de vínculos com determinadas contrapartes, em vez de gerenciar o risco), mas não de “de-linking” (a dissociação consiste em desvincular um parâmetro de outro). Para a Alemanha pós-Ângela Merkel, a China é agora um competidor sistêmico e um sócio comercial importante, em relação ao qual uma nova estratégia precisa ser adotada para preservar sua “segurança econômica”. A China mudou; portanto, a visão sobre a China também deve mudar.

Outros países europeus compartilham dessa visão. Eles perceberam (como um efeito eureca) que a China se tornou mais poderosa e assertiva na política externa, controla setores estratégicos em suas economias por meio de alianças, fusões e aquisições (Grã-Bretanha) de empresas, circuitos logísticos críticos sob o amparo da BRI (Grécia) e, devido à sua competitividade, ameaça seus interesses estratégicos na ALC. Esse ponto de vista é complementado pela perspectiva norte-americana, que fala de uma “ameaça chinesa” ainda mais intimidadora ao contar com a aliança “ilimitada” com a Rússia, integrando assim uma coalizão de “Estados autoritários” antiocidentais.

A reação europeia e sua revitalização dos laços com a ALC podem ser interpretadas de vários ângulos. A revalorização do interesse da Europa na ALC como fornecedora de matérias-primas, recursos minerais, energéticos de segurança alimentar; a sustentação da institucionalidade democráticas; a contenção do avanço da China sobre governos e líderes sociais; a recuperação de espaços de influência cedidos por “distração ou desinteresse” a pessoas e órgãos governamentais e não governamentais; e a reafirmação da importância da ALC na luta contra o aquecimento global e a deterioração ambiental são fatores que estão vinculados à mudança de perspectiva europeia sobre a região. Um indicador da “redescoberta europeia”  é sua ambição de assinar um Acordo de Livre Comércio (ALC) entre a UE e o Mercosul.

As aspirações mútuas de uma interdependência mais profunda entre a UE e a ALC permanecem válidas hoje em dia, no entanto, esta não pode ser alcançada através da manutenção de uma reiterada narrativa europeia (mantra) sobre o desenvolvimento, a democracia, os valores humanos e os laços históricos, conceitos que hoje em dia não seduzem os decisores políticos e os agentes econômicos latino-americanos. O reconhecimento da diversidade dos interesses latino-americanos é uma condição prévia para que a UE recupere espaços perdidos de poder.

Aos olhos dos latino-americanos, a China surge como um parceiro mais “eficiente” e pragmático, na medida em que avança com projectos de infra-estruturas, investimentos em setores industriais, acordos de telecomunicações e planos de ação conjuntos para a cooperação em áreas fundamentais. Além disso, a China assinou vários tratados de livre comércio (TLC) na região, o mais recente com o Equador.

Ainda há tempo?

A Europa pode recuperar os espaços perdidos aplicando uma visão pragmática, adaptando uma ideia com a ALC que não esteja centrada em “valores e simbolismos” passados e difusos, mas sim baseada em fundamentos reais que contemplem objetivos conjuntos multiníveis e multidimensionais (e não paternalistas como no passado) sobre desenvolvimento partilhado, promoção industrial, alianças tecnológicas, abertura de mercados, educação digital, know-how, joint ventures e intercâmbio universitário, entre outros pontos.

Trata-se de ações concretas e mantidas no tempo, que exigirão um trabalho “de base” mais proativo e inclusivo com as pessoas e entes subnacionais e não governamentais. Numa região complexa, onde a democracia não se tem revelado eficaz em termos de melhoria da qualidade de vida das populações, o mero discurso axiológico pode soar a vazio. Em suma, a UE do século XXI será bem-vinda na região através do diálogo, da ação concertada para enfrentar os desafios comuns, da promoção do desenvolvimento e da formação de recursos humanos; muitos de nós teriam gostado de um despertar, de um efeito eureca mais cedo, mas… mais vale tarde do que nunca.

* Este texto foi publicado originalmente na página de REDCAEM

Autor

Coordinador del Centro de Estudios sobre Asia del Pacífico e India (CEAPI) de la Univ. Nacional de Tres de Febrero (Argentina). Magíster por la Universidad de Pekín. Miembro de la Red China y América Latina: Enfoques Multidisciplinarios (REDCAEM).

spot_img

Postagens relacionadas

Você quer colaborar com L21?

Acreditamos no livre fluxo de informações

Republicar nossos artigos gratuitamente, impressos ou digitalmente, sob a licença Creative Commons.

Marcado em:

COMPARTILHE
ESTE ARTIGO

Mais artigos relacionados