De volta a Bretton Woods

Os acordos de Bretton Woods, que governaram o funcionamento do sistema financeiro global por mais de três décadas e estabeleceram as bases para o nascimento e a expansão dos bancos de desenvolvimento, ocorreram em um momento crítico para a humanidade.

Era 1944. O planeta ainda estava no meio da Segunda Guerra Mundial, que derivou das grandes questões que não haviam sido resolvidas durante a Primeira, e os ventos contrários da Grande Depressão ainda se faziam sentir quase três lustros depois.

Além disso, os polos de poder e a dinâmica geopolítica que determinariam o curso da humanidade durante os próximos 45 anos estavam começando a ser configurados. Era necessário um sistema que superasse essas diferenças.

Por isso, representantes de 44 países se reuniram entre os dias 1 e 22 de julho daquele ano na cidade de Bretton Woods (New Hampshire, EUA), com o objetivo de estabelecer as bases para a cooperação internacional que garantiriam o crescimento e a cooperação entre as nações participantes.

O sistema apresentou falhas e foi objeto de críticas severas e bem fundamentadas de acadêmicos e governos. No entanto, mais de 190 nações continuam a fazer parte das duas principais instituições derivadas do acordo: o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional.

Hoje, o mundo está experimentando um novo “momento Bretton Woods”. O desafio das mudanças climáticas, a pandemia de COVID-19 e seu grave impacto econômico e o reajuste no tabuleiro de xadrez político global, que começou com a guerra na Ucrânia, nos colocaram em um lugar semelhante, mas com algumas vantagens.

A necessidade de redefinir as regras do sistema financeiro global para torná-lo mais justo, sustentável e transparente se manifestou fortemente durante a crise de 2008 e o subsequente resgate das instituições afetadas.

Embora tenha havido alguns avanços no marco regulatório e em certas leis como resultado dessa crise, os desafios que enfrentamos daqui para frente exigem muito mais.

Dessa conferência surgiu o Banco Internacional para a Reconstrução e o Desenvolvimento (que mais tarde se tornou parte do Banco Mundial). O objetivo da instituição, claramente indicado no nome, não deixou margem para dúvidas sobre seu propósito.

Os demais bancos globais de desenvolvimento, como sabemos, tiveram seu germe naquele conclave e nas instituições que dele nasceram. Alguns bancos de desenvolvimento emergiram como satélites dessa influência, e outros pela razão oposta: distanciar-se dos Estados Unidos.

Eu assinalei anteriormente que, apesar da situação complicada que enfrentamos hoje, a conjuntura atual tem algumas vantagens. Uma delas é precisamente uma ampla rede global de bancos de desenvolvimento composta por mais de 500 instituições de todos os tipos.

Outra vantagem, que mencionei acima, é que praticamente todas as nações do mundo continuam a integrar as instituições que emergiram de Bretton Woods e participam de várias organizações multilaterais.

Os bancos de desenvolvimento tornaram-se, além das instituições financeiras, verdadeiros repositórios de conhecimento e experiência para enfrentar desafios de desenvolvimento em larga escala. Eles também se alinharam a outras prioridades globais: mudanças climáticas, direitos humanos e igualdade de gênero, para dar alguns exemplos.

Cientes de sua capacidade e, sobretudo, de seu papel na paisagem complexa atual, eles começaram a dar uma resposta coordenada a alguns desses problemas. O evento Finance in Common, a primeira cúpula global de bancos públicos de desenvolvimento a ser realizada em Paris em 2020, é um exemplo disso.

No momento atual, como há 78 anos, o mundo está numa encruzilhada que requer ações coordenadas, instituições ágeis e fortes, mecanismos de cooperação que estejam acima de ideologias e conjunturas políticas.

Meu apelo não é para reviver esse sistema, mas para invocar o espírito dessa conferência, na qual foram feitas tentativas de forjar mecanismos de colaboração entre os países e enfrentar os desafios da época de forma organizada.

Esse é o desafio. E estou convencido de que os bancos de desenvolvimento têm papel vital a desempenhar no financiamento e no fornecimento do conhecimento de que precisamos para sair das crises atuais. É hora de convocar o espírito de Bretton Woods.

Nossa Newsletter

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com