Uma região, todas as vozes

L21

|

|

Leer en

Eleições na Argentina: uma campanha que empodera Milei e Massa

Após uma eleição de três terços, na qual presenciamos um empate técnico nas últimas primárias nacionais entre a força libertária La Libertad Avanza (LLA), com 29,86% dos votos, Juntos por el Cambio (JxC), com 28%, e o governista Unión por la Patria (UP), com 27,28%, surgiram uma série de perguntas: Por que o resultado? Por que as pesquisas voltaram a falhar? Por que o La Libertad Avanza de Milei, de terceira força, subiu para a primeira? Por que o kirchnerismo chegou a um empate técnico quando seu candidato é o ministro de uma economia quase hiperinflacionária? Ou por que o Juntos por el Cambio, que vem sendo a oposição organizada, obteve um apoio muito menor do que o esperado?

Um pouco de memória

Milei e Bullrich, os candidatos da direita e da ultradireita, mantiveram uma excelente relação até as primárias de 13 de agosto. Têm coincidido com frequência sobre diversos temas, como a defesa do livre mercado, a desaprovação das regulações estatais, a necessidade de políticas mais duras para combater o crime ou frear os protestos nas ruas, e até convidaram um ao outro para fazer parte do mesmo espaço.

Mas após as eleições primárias, foi revelado, surpreendentemente, que Milei, que individualmente obteve 29,86% de apoio, frente a Bullrich, que obteve 16,81%, e Massa, 21,43%, tem grandes chances de se tornar o futuro presidente. A partir de então, Milei começou a se distanciar de Patricia Bullrich e a deslegitimá-la como líder da oposição organizada desde 2015.

Milei, que se expressa principalmente através de redes sociais, tem manifestado, com a violência que o caracteriza, que Patricia Bullrich é “montonera, atiradora de bombas e peronista”, apelando ao passado da líder do JxC, que militava no peronismo e era guerrilheira em sua juventude. Milei também chama Bullrich de “casta”, assimilando-a aos demais políticos e, especialmente, ao kirchnerismo. Embora a desqualifique, não parece confrontá-la, mas, ao contrário, minimiza sua importância para se posicionar como a verdadeira oposição ao kirchnerismo.

As estratégias dos três candidatos diante 22 de outubro

Embora as eleições internas tenham evidenciado que os extremistas triunfaram (o reacionário Javier Milei, de LLA foi o mais votado; a linha dura do JxC, Patricia Bullrich, ganhou o brando Rodríguez Larreta; Sergio Massa, a versão ultrakirchnerista de UP, obteve um alto desempenho), seguindo a lógica eleitoral de todos os tempos, poderíamos supor que as forças centrípetas operarão em uma disputa geral. Nesse contexto, Juntos por el Cambio, a partir da mais sensata moderação pós-primárias, poderia atrair o eleitorado de ambos os extremos e aumentar suas chances de ganhar.

Sob essa possível premissa, a força libertária LLA, que é vista como ganhadora desde as primárias, parece deduzir que seria mais fácil vencer em um segundo turno contra o partido governista UP. Enquanto o UP deduz que seria mais fácil vencer em um segundo turno contra a LLA. Assim, estamos observando uma situação pós-primárias em que Milei e Massa insistem em demonstrar à opinião pública que representam dois modelos opostos de governo e de país. Isso se manifesta em vários discursos e nas redes sociais. E assim presenciamos um tipo de pingue-pongue eleitoral, no qual Bullrich parece ser uma mera observadora.

No debate vice-presidencial realizado em 20 de setembro, constatou-se como a libertária Victoria Villarruel, que acompanha a chapa de Milei, e o candidato à vice-presidência que acompanha a chapa de Massa, Agustín Rossi, escolheram se confrontar.  Durante o debate, sob uma estratégia de polarização, trocaram insolências de todos os calibres, que parece estar dando bons resultados eleitorais na Argentina.

JxC, por sua vez, limitou-se a reprovar minimamente as violentas exposições do libertário Javier Milei contra a coalizão e dedicou a maioria de suas energias ao confronto com o kirchnerismo. E, assim, Bullrich repete, várias vezes, que veio “para acabar com o kirchnerismo para sempre”. Em um spot recente, Bullrich aparece exibindo uma maquete de um projeto de mega-prisão de segurança máxima (no estilo da construída por Bukele em El Salvador), como se quisesse disputar o monopólio da “mão dura” de Milei; mas novamente predomina o confronto com o kirchnerismo, quando nos mostra que o nome seria “Dra. Cristina Fernández de Kirchner” (em alusão à condenação em primeira instância da atual vice-presidente).

No referido debate vice-presidencial, o candidato que acompanhava Bullrich, Luis Petri, limitou-se a reprovar Milei em algumas ocasiões e enfatizou, no restante do debate, que “sem eufemismos, para acabar com a inflação é preciso primeiro acabar com o kirchnerismo, que é uma máquina de gerar pobreza e de bater em quem produz neste país”.

Bullrich opta repetidamente por polarizar com Massa, porque, sob a suposição (reafirmada pelos resultados das pesquisas contínuas que tanto se equivocam) de que La Libertad Avanza mantém a liderança, JxC e o partido governista UP devem competir pelo segundo lugar para chegar ao segundo turno das eleições.

Autor

Otros artículos del autor

Politóloga y profesora de la Universidad de Buenos Aires. Magíster en Historia Económica por la misma universidad. Columnista en Perfil, La Nación, La Ribera Multimedio, Observatorio de Seguridad, Economía y Política Iberoamericana, entre otros.

spot_img

Postagens relacionadas

Você quer colaborar com L21?

Acreditamos no livre fluxo de informações

Republicar nossos artigos gratuitamente, impressos ou digitalmente, sob a licença Creative Commons.

Marcado em:

COMPARTILHE
ESTE ARTIGO

Mais artigos relacionados