O BID para os americanos?

Por trás da posição dos Estados Unidos, a motivação oculta é a invasão silenciosa da economia latino-americana pela China, que cresceu notavelmente na última década. Washington estima que a margem de atuação do BID na região é muito relevante e que, graças ao seu comando, seria possível recuperar parte do terreno perdido.

Nem tudo é sobre dinheiro

O debate criado em torno da relação entre o apoio dos eleitores de baixa renda ao governo Bolsonaro e o auxílio emergencial pode ser novo, mas ele reproduz uma velha leitura da academia, da imprensa, e do senso comum sobre o comportamento eleitoral dos mais pobres no Brasil.

A pandemia e a indolência econômica de López Obrador

López Obrador escolheu administrar a tragédia, em lugar de tentar evitá-la. E essa má administração conduziu a uma tragédia maior. Os simplistas se consolam com alguma versão do clichê “todos os países sofreram uma tragédia”, e se esses observadores são esquerdistas da moda seguem acreditando que ele não tinha alternativas.

Renegociar a dívida para não desfalecer após a pandemia

Os países da região terão que estender uma ampla gama de políticas destinadas a controlar a inflação, aumentar o crédito, subsidiar o consumo, e aumentar os gastos públicos. No entanto, nenhuma dessas ações pode ser realizada sem antes poder “resolver” os altos níveis de dívida pública.

Colômbia: a ausência em tempos de pandemia

Você já pode imaginar o cenário nas ruas colombianas nesta reabertura gradual da economia. Milhares de cidadãos procurando maneiras de sobreviver diariamente para enfrentar outra pandemia que já estava presente na Colômbia, a pobreza.

Uma carta sobre a intolerancia

A carta sustenta que o perigo é a falta de discussão, promovida não só pelos autoritários em nível mundial mas também por aqueles que resistem a eles; “as forças do iliberalismo estão ganhando terreno em todo o mundo e tem um poderoso aliado em Donald Trump, que representa uma verdadeira ameaça à democracia.

Como os déspotas se apegam ao poder

Os déspotas que se enamoraram tanto do governo estão aterrorizados em deixá-lo. Seu maior medo é a morte política descrita pelo marechal Josip Broz Tito como a mais horrível das mortes. Tornar-se um cidadão comum deve ser uma tortura para aqueles que governaram como reis.

Política

Arendt, Trump e a mentira na política

Todos os políticos mentem, mas Donald Trump, como Jair Bolsonaro no Brasil ou Rodrigo Duterte nas Filipinas, têm se caracterizado como presidentes de urnas que não tiveram problemas em usar a mentira como uma ferramenta política sistemática.

Repensar a ciência política em tempos de coronavírus

A emergência sanitária causada pel Coronavírus deslocou os objetos de pesquisa da ciência política. Na busca por autonomia disciplinar, a Ciência Política vem conquistando um campo de conhecimento dentro das Ciências Sociais que é cada vez mais respeitado entre as diferentes comunidades acadêmicas.

López Obrador: o presidente que piora

Andrés Manuel López Obrador completou um ano e meio de governo, no México, depois de sua vitória eleitoral dois anos atrás. Como vai o país? Muito mal. Há poucos acertos e bons resultados, mentiras diversas e relevantes, e um número muito mais alto de erros e consequências negativas.

Economia

Fukuyama, modelo 2020

“As grandes crises têm grandes consequências, geralmente imprevistas. A Grande Depressão encorajou o isolacionismo, o nacionalismo, o fascismo e a Segunda Guerra Mundial, mas também levou ao New Deal, à emergência dos Estados Unidos como uma superpotência global e, finalmente, à descolonização.

O racha no Mercosul

Além dos efeitos da Covid-19 sobre as economias do Mercosul, os países membros do bloco comercial se encontram em um momento crítico de seu relacionamento. Brasil pleiteia por uma abertura comercial ampla, posição que o conduziu a um confronto com o novo governo argentino.

A dimensão geopolítica do acordo Mercosul-UE

O acordo entre o Mercosul e a União Europeia é criticado como projeto neocolonial ou tratado vampiro. O acordo decerto produzirá ganhadores e perdedores, de ambos lados, mas, de acordo com um estudo da LSE, o comércio em geral vai crescer e a prosperidade das duas regiões aumentará, se bem que de maneira modesta.

Sociedade

Que tipo de cidadania nos deixará a pandemia?

Esta ideia de cidadania que emerge em tempos de emergência sanitária e distanciamento social é muito mais semelhante às expressões conservadoras e limitadas em vigor até meados do século 20 do que às manifestações de civilidade e encarnações da subjetividade política do século 21.

Trump e a mentira fascista

Esta forma de deformar a realidade tem um precedente na história da mentira fascista. Trump está usando esta crise para promover sua marca de autoritarismo, posicionando-se não como um funcionário eleito, mas como um líder que possui a verdade e cuja autoridade é “total”.