A feminização da política

Dois processos estão ocorrendo hoje que nos remetem a importantes bandeiras do movimento feminista e do movimento feminino. Referimo-nos ao processo constitucional no Chile e ao projeto de lei para o aborto livre e voluntário na Argentina. O eleitor chileno será o primeiro eleitor do mundo que terá paridade total de gênero, e o projeto de lei na Argentina responde ao compromisso expresso por Alberto Fernandez de se referir à legislatura uma iniciativa que inclui as demandas do movimento pelo aborto livre, livre e seguro. 

A iniciativa do Presidente Alberto Fernandez, que já recebeu metade dos votos dos deputados, é provavelmente a mais delicada porque trata de uma questão que desencadeia uma polarização da opinião pública e a oposição das igrejas e movimentos anti-direitos (auto-intitulados “pró-vida”). Ambos têm grande influência na sociedade. A paridade de gênero como conceito não gerou este nível de polarização, mas os regulamentos projetados para a assembléia constituinte chilena têm um caráter surpreendentemente sem precedentes.

Ambos os processos se qualificariam como exemplos de uma “feminização” da política latino-americana. Por esta razão, gostaríamos de dizer o seguinte: há uma emergência de posições políticas que incluem questões mobilizadas pelo movimento feminista e de mulheres. Estas posições não são fáceis de serem assumidas em situações eleitorais e de transição.

A menos que sejam partidos ou movimentos políticos com um claro posicionamento institucional a favor da narrativa feminista, as escolhas feitas pelos partidos e movimentos que são mais do tipo eleitoralista, catch-all ou centro, centro-esquerda, são normalmente tingidas com cálculos de custo-benefício que dependem da direção que o sentimento público está tomando sobre estas questões.

A capacidade de afetar esses cálculos e opções sempre foi um dos desafios do pragmatismo feminista. Até mesmo o Presidente Fernandez, que nos parece ter um compromisso genuíno com a iniciativa acima mencionada, teve que ser empurrado pelo movimento social. O peronismo, sendo um movimento político muito plural e variado, não pode ser considerado um ator político que certamente estaria aliado ao feminismo, mas existe atualmente uma certa mudança.

A iniciativa chilena também reflete a força do movimento feminista e de mulheres. Seu papel de liderança em manifestações e protestos sociais foi particularmente notável. A política chilena, assolada por um fenômeno que questionava sua própria função representativa, avançou em direção a esta armadura de paridade como resultado da pressão do movimento social.

A pergunta que nos fazemos é se estes dois processos são um prenúncio do que poderia acontecer no novo ciclo eleitoral que se aproxima, com eleições no Equador, Peru e Chile em 2021 e outras em 2022. Há países nos quais é claramente improvável que uma feminização da política, no sentido que lhe estamos dando, surja com qualquer força.

O Paraguai, talvez um dos países mais conservadores da região, certamente não construirá essas pontes com o movimento de mulheres. As eleições peruanas serão uma nova caixa de Pandora, mas é de se esperar que novos jovens atores entrem em cena carregando aquela bandeira. Se as últimas eleições municipais no Brasil são alguma indicação, o tom misógino e neofascista de Bolsonaro provavelmente diminuirá, mas um centrismo sem grandes inovações nas políticas de gênero permanecerá.

a paleta de opções trazidas pela feminização da política é bastante ampla.

No entanto, a paleta de opções trazidas pela feminização da política é bastante ampla. O ciclo eleitoral de 2017-2019 viu uma mudança para a direita na região, mas várias questões importantes ainda estavam bem estabelecidas e representavam consenso em todo o espectro político. 

O conceito genérico de igualdade de gênero e a necessidade de acabar com a violência contra as mulheres foram fatores que praticamente ninguém contestava. A igualdade de remuneração e oportunidades que dão às mulheres um papel maior na tomada de decisões em todos os níveis, assim como a co-responsabilidade com os homens no trabalho doméstico e no cuidado da família, eram parâmetros relativamente estáveis.

Uma quebra no consenso ocorreu em torno de questões relacionadas aos direitos sexuais e reprodutivos, interrupção voluntária da gravidez e o empoderamento social e coletivo do movimento de mulheres. A famosa “performance” de LasTesis sobre o “estuprador à sua maneira” e o dedo acusador apontando para o Estado e fatores sistêmicos, são manifestações de autonomia e assertividade que ferem o tom concessionário e patriarcal que as lideranças assumem com relação a certas exigências das mulheres.

As desigualdades mais estruturais também causaram uma oposição significativa. Por exemplo, todo o debate sobre cuidados e trabalho doméstico. O apelo à co-responsabilidade de gênero no trabalho doméstico como assunto privado, resolvido dentro da família, era uma coisa, mas a valorização do trabalho doméstico não remunerado e sua inclusão nas contas nacionais era outra.

O feminismo afeta a masculinidade e os pontos de vista sobre ela, os aspectos mais profundos que chocam com as culturas patriarcais tradicionais

A cultura e os valores são outros fatores decisivos. O feminismo afeta a masculinidade e os pontos de vista sobre ela, os aspectos mais profundos que chocam com as culturas patriarcais tradicionais, ou as práticas de grupos do crime organizado que de alguma forma organizam a masculinidade violenta para exercer o domínio em certos territórios.

É com base nesta experiência que teremos que observar durante o próximo ciclo eleitoral se as posições políticas se movem para a direita ou para a esquerda daquela paleta de opções trazidas pela feminização da política.  Obviamente, este processo dependerá muito da força do movimento social e de sua capacidade de articular uma série de outras demandas e posições que exigem igualdade e inclusão.

Embora estes não sejam aspectos definidores, não temos dúvidas de que a força motriz do movimento será significativamente impulsionada se o Senado aprovar a iniciativa do governo Alberto Fernandez e se o desempenho do processo constituinte chileno demonstrar que a paridade de gênero agrega valor.

*Tradução do espanhol por Maria Isabel Santos Lima

Nossa Newsletter