O México promove um novo modelo de integração nas Américas

A recentemente concluída Sexta Cúpula dos Estados da América Latina e Caribe (CELAC), na Cidade do México, gerou várias interpretações. Em primeiro lugar, parece que esta foi uma tentativa do Ministério das Relações Exteriores mexicano de liderar um novo processo de integração regional a partir de uma perspectiva progressista. O objetivo seria a construção de um novo acordo entre a América Latina e o Caribe com os Estados Unidos e o Canadá, a fim de buscar a integração das Américas diante dos avanços chineses.

A rota de integração segundo AMLO

A narrativa do governo 4T, como o presidente Andrés Manuel López Obrador apelidou seu mandato de seis anos, equacionando-o com as três principais transformações da história mexicana, como a independência, a Reforma e a Revolução, foi explícita em sua releitura nacionalista da história do país e em sua ofensiva contra os governos neoliberais anteriores.

No passado, durante os anos de hegemonia do PRI, nos anos 70 e 80, os presidentes mexicanos tentaram construir alianças progressistas na região sob a liderança mexicana, aproveitando as tendências geopolíticas da integração pós-colonial do Terceiro Mundo. Enquanto isso, hoje, a centralidade de Cuba na celebração da independência nacional mexicana, incluindo a proposta de declarar a ilha como “nova Numancia” e Patrimônio Mundial, reflete a afinidade ideológica de López Obrador com a Revolução Cubana, apesar da credibilidade internacional corroída do governo da ilha.

Neste contexto, o Ministro das Relações Exteriores Marcelo Ebrard havia recentemente reconhecido que o modelo da Organização dos Estados Americanos (OEA) estava esgotado, pois refletia um desenho de hegemonia geopolítica. Em suas palavras, “a Guerra Fria acabou, mas surgiu a supremacia dos Estados Unidos, a batalha continuou contra qualquer opção de que eles não gostassem”. A intervenção no “golpe” boliviano e o bloqueio de Cuba, apesar dos 184 votos nas Nações Unidas, demonstraram isso.

Uma nova relação com os Estados Unidos

Neste contexto, o objetivo da cúpula seria construir um novo acordo entre a América Latina e o Caribe e os Estados Unidos e o Canadá sobre “como as Américas devem agora ser organizadas”. A mensagem precisa de Ebrard foi que o objetivo não está na OEA, mas no relacionamento com os Estados Unidos. Portanto, o objetivo da Cúpula da CELAC para o governo mexicano vão além do restabelecimento de uma organização interamericana de cooperação e desenvolvimento regional.

No meu ponto de vista, o México está olhando diretamente para os riscos de médio e longo prazo da crescente hegemonia geopolítica da China diante de uma América fragmentada e econômica e comercialmente fraca.

Neste sentido, o discurso do presidente mexicano em 24 de julho no 238º aniversário do nascimento de Simón Bolívar foi fundamental. Lá, López Obrador reconheceu a interferência passada da potência do norte na região e o esgotamento de um modelo de relações com a América Latina baseado na integração ou na oposição defensiva aos EUA. Em troca, ele propôs que os países da região dialogassem e persuadissem aos EUA de que “uma nova relação é possível”; em outras palavras, uma nova coexistência entre os países soberanos das Américas.

Segundo o presidente mexicano, o momento é oportuno, dado o crescimento desproporcional da economia chinesa nos últimos trinta anos. O desafio para os países latino-americanos é “fortalecer-nos econômica e comercialmente com a América do Norte e todo o continente”. Daí a proposta de construir uma organização semelhante à União Européia, “mas de acordo com nossa história”.

A proposta do López Obrador para os governos da América Latina é trabalhar para uma integração produtiva com uma projeção social que permita a “modernização por baixo”, baseada nos princípios de não-intervenção, autodeterminação, cooperação e não subjugação por qualquer meio. Somente desta forma a América Latina poderá alcançar a integração soberana com os Estados Unidos e o Canadá, a fim de recuperar o terreno perdido para o crescimento imponente da economia chinesa e a realização de uma geopolítica sem hegemonia no futuro.

Portanto, o objetivo estratégico do Ministério das Relações Exteriores mexicano ao entregar a presidência pro tempore da CELAC é ter alcançado uma integração interamericana que fortalece economicamente os EUA e permite um equilíbrio na geopolítica internacional sem a hegemonia de nenhum país.

As pressões do realpolitik

Curiosamente, as pressões do realpolitik têm desempenhado um papel importante na concepção desta estratégia. Dias antes da cúpula, foi realizado em Washington o Diálogo Econômico de Alto Nível entre os governos dos EUA e do México. Ali, foi criada uma nova estrutura estratégica para o relacionamento bilateral e “as ferramentas para a prosperidade futura”, baseada em uma aliança estratégica para apoiar os EUA em sua luta de longo prazo contra a China e a Rússia.

De acordo com fontes jornalísticas mexicanas, o México já tomou partido nesta nova guerra fria digital, comprometendo-se a “apoiar a compatibilidade regulatória e a mitigação de riscos em questões relacionadas às tecnologias da informação, comunicação, redes, segurança cibernética, telecomunicações e infra-estrutura”.

No entanto, a Cúpula da CELAC demonstrou a magnitude do desafio da integração latino-americana, pois persistem diferenças importantes na concepção do desenvolvimento, na integração comercial e, sobretudo, na posição sobre as questões da democracia e dos direitos humanos. A oposição frontal de algums governos de direita a regimes autocráticos como Cuba, Venezuela e Nicarágua, e a relutância de certos governos de esquerda em liberar os mercados e o comércio podem ser obstáculos importantes para a inovação produtiva e tecnológica e para o mercado comum interamericano.

Sem valores compartilhados sobre direitos e liberdades civis, políticos e sociais, será impossível para qualquer ministério das relações exteriores realizar o sonho de Bolívar.

Nossa Newsletter

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com