Trump instala uma campanha que retrocede mais de meio século

Não há mais um meio-termo. O jornal mais importante do mundo chama as coisas pelos seus nomes. E o faz a partir da capa. Foi assim que o New York Times analisou em sua primeira página a reação do presidente Donald Trump frente ao anúncio da chapa democrata: “Trump se juntou à aluvião com um tweet racista… alegando que Biden colocaria outro líder negro, o senador Cory Booker de Nova Jersey, no comando das moradias para as pessoas de baixa renda nos subúrbios”.

Para o jornal, aquele tweet continuou com a “tática de Trump de jogar com os medos racistas brancos sobre os esforços de integração”. No mesmo dia, o presidente denunciou uma “invasão” e propôs a exclusão de minorias pobres, ou seja, pessoas de cor que querem viver nos subúrbios.

Parece que Trump quer que seu país se pareça novamente com um passado que líderes como Martin Luther King, ou Nelson Mandela na África do Sul, lutaram para mudar.

Trump nunca se atreveu a tanto. Nunca a grande imprensa do país o havia definido como está fazendo agora. Parece que Trump quer que seu país se pareça novamente com um passado que líderes como Martin Luther King, ou Nelson Mandela na África do Sul, lutaram para mudar. A proposta de campanha é um Estados Unidos de “bantustões” do Apartheid.

Esta realidade e sua apresentação explícita na mídia teria sido impensável há apenas alguns anos. Depois da violência dos séculos e décadas anteriores, pelo menos nas campanhas presidenciais as rachaduras eram disfarçadas, se tornando menores. Após uma campanha muito dura, o vencedor Barack Obama recebeu em sua sala de estar seu adversário, o senador John McCain.

Neste ponto, os Estados Unidos estavam começando a se parecer cada vez mais com a América Latina, com exceção do Brasil de Bolsonaro. Em nosso continente, as campanhas não são claramente inspiradas pelos métodos de propaganda, ódio e mentiras típicas do fascismo global e do fascismo vernáculo.

A seleção de Kamala Harris, a primeira mulher afro-americana e filha de imigrantes a ser candidata em uma corrida presidencial, deixou explícito o que durante muito tempo a imprensa independente tratou com eufemismos: de um lado está o racismo de Trump e do outro o antirracismo da maioria. Em outras palavras, Biden e Harris mais uma vez representam a maioria eleitoral que perdeu a eleição presidencial anterior para os aparatos do arcaico colégio eleitoral.

É preciso lembrar que foi precisamente o colégio eleitoral que foi um fator central para a defesa da escravidão e que este foi eliminado pela guerra civil que ganhou a ordem legal liderada pelo Presidente Abraham Lincoln em 1865. Nesse contexto, Trump também se identificou recentemente com o lado perdedor por razões que obedecem à mesma estratégia racista mencionada pelo New York Times.

não é nova na história deste país do Norte a ideia de fazer campanha com a xenofobia

Mas se há coisas novas, e muitas, neste ódio que é parafernália na Casa Branca, não é nova na história deste país do Norte a ideia de fazer campanha com a xenofobia, a “lei e a ordem”, os medos e o nacionalismo. É claro que, na realidade, esta não é apenas uma história americana.

Na Índia Narendra Modi, na Hungria Viktor Orban e no Brasil Jair Messias Bolsonaro estão tentando reformular o populismo de forma fascista; mas nos Estados Unidos a campanha de Trump também se remete a outras campanhas locais, cuja forma de fazer política foi abertamente racista, em particular as candidaturas do governador do Alabama, George Wallace, nos anos 60 e início dos anos 70.

Wallace, um candidato de “a lei e a ordem”, atacou o governo em 1963 por considerar que queria fazer dos políticos “amos do povo” e que era “o oposto de Cristo”. Ele insistiu na necessidade de manter a “segregação agora! Segregação amanhã! ” Wallace defendeu o racismo “em nome das pessoas mais importantes que já caminharam por esta terra”. Por “as pessoas” ele se referia aos americanos brancos.

Como é bem conhecido, Wallace argumentou que Nova York não era exatamente um exemplo para o resto do país: “Em Nova York não se pode andar de noite pelo Central Park sem temer que violem, assaltem ou atirem em você”. Era precisamente esta ideia de que o Central Park era o lugar onde se podia ver o que estava errado com o país que dava notoriedade a um então jovem populista em formação.

O contexto foi o caso do “Central Park Five”, em 1989. Como explicou a CNN, “o caso envolveu cinco adolescentes negros acusados e condenados injustamente por espancar e estuprar uma mulher no Central Park. Trump comprou anúncios de uma página inteira em vários jornais de Nova Iorque que diziam: “Devolva-nos nossa pena de morte. Devolva-nos nossa polícia! ” Os meninos acusados injustamente “foram exonerados em 2002, quando outro homem confessou o crime e o DNA apoiou sua confissão”.

Em 1989, referindo-se ao caso, Trump disse que “os avisos eram muito fortes e francos, e o que eles pediam era lei e ordem. E não estou falando apenas de Nova Iorque. Estou falando de tudo”. “Talvez o ódio seja o que precisamos”, concluiu ele, “se quisermos que algo seja feito”. Esta combinação inicial de “lei e ordem”, e propaganda e mentiras racistas foi a primeira tentativa de Trump de fazer política a partir do roteiro de Wallace, mas também de Josef Göebbels.

Mais tarde, ela se tornaria a marca registrada da corrida bem-sucedida de Trump para a presidência em 2016. Esta forma de mentir e fomentar a paranoia e o ódio continua marcando sua tentativa desesperada de permanecer no poder. Se ele perder a eleição, perderá também sua imunidade legal. Inúmeros processos legais o acompanharão e, por isso, ele espera que o racismo o salve.

É verdade, seu slogan MAGA (Make America Great Again) implicava, de forma implícita, uma proposta de retorno ao país antes das mudanças dos direitos civis dos anos 60, mas sua atual campanha eleitoral quer transformar esse passado racista em uma promessa para o presente e o futuro.

*Um texto originalmente publicado no jornal Clarín, Argentina

Foto de Johnny Silvercloud em Foter.com / CC BY-SA

Nossa Newsletter