Uma região, todas as vozes

L21

|

|

Leer en

Partidos na América Latina: ideologia antes da democracia

Em seu primeiro encontro desde a pandemia, o ideologicamente esquerdista Grupo de Puebla sente uma oportunidade. Enquanto esperam “ventos progressistas” dos próximos processos eleitorais, a esquerda democrática e a autoritária fecham fileiras contra o neoliberalismo. A declaração final também apoia as ditaduras latino-americanas, lideradas por Cuba. Enquanto isso, o partido espanhol populista de direita VOX tenta se posicionar na América Latina como a ponta de lança da luta anticomunista. Essa dinâmica bipolar coloca em apuros as forças do espectro centro-direita, em particular.

Radiantes e sem máscaras, posaram frente ao fotógrafo: o ex-primeiro-ministro espanhol José Luis Rodríguez Zapatero, Rafael Correa, e o atual ministro das Relações Exteriores mexicano, Marcelo Ebrard. Eles acabaram de inaugurar o Grupo de Puebla (GP), que reuniu cerca de 200 “líderes progressistas” de 30 de novembro a 1º de dezembro na capital mexicana. No entanto, estava evidente o sinal de que a reunião deveria enviar sob o slogan “Mudança agora”: a esquerda unida está de volta, ganhando influência e unificando-se contra o oponente comum. Pediu nada menos do que a substituição do “modelo neoliberal anacrônico” por um “modelo de desenvolvimento solidário”.

Embora o documento tenha poucos aportes concretos sobre como deveria ser esse novo modelo, se manifesta, geralmente, em prol de um forte papel dos Estados no investimento público, de uma sessão especial da Assembleia Geral da ONU sobre os caminhos globais para sair da pandemia, da descarbonização da economia, do “multilateralismo”, de um imposto mínimo global de ao menos 21% e dos “valores do feminismo”.

Quanto ao compromisso com a liberdade e a democracia, o documento é ambivalente. Ao mesmo tempo em que pede por “uma democratização que dê espaço a novas vozes”, no texto de 2629 palavras, a democracia só aparece mais uma vez como um conceito básico positivo.

Segundo seu site, o Foro de São Paulo reúne hoje 123 partidos de 27 países, do Partido Comunista de Cuba ao Partido da Unidade Socialista da Venezuela (PSUV) e forças de centro-esquerda democraticamente estabelecidas, como o Partido Socialista do Chile, o Partido dos Trabalhadores do Brasil ou a Frente Ampla do Uruguai. A diferença organizacional mais importante entre o FSP e o GP é que o primeiro é uma associação formal de partidos, enquanto o segundo é formado por um grupo de indivíduos. Em ambas as organizações, no entanto, há a mesma fusão entre elementos autocráticos, populistas e democráticos. Em ambos os casos, é evidente que a ideologia é mais importante que a democracia.

Elogios ao México, Cuba e Venezuela

Como um presente para o anfitrião, por assim dizer, o GP celebra o “aprofundamento da democracia” do governo populista de esquerda do chefe de Estado mexicano Andrés Manuel López Obrador. Apenas alguns dias antes, ele havia emitido um decreto que lhe permitiria, em vez do processo licitatório legal, realizar importantes projetos de infraestrutura praticamente à mão e sem qualquer transparência. No entanto, a ex-presidente Dilma Rousseff celebrou o governo mexicano como uma “luz” para a “integração latino-americana”.

A declaração final do GP também adota, sem restrições, a retórica da ditadura cubana quando se solidariza com o “povo cubano” e nomeia as sanções estadunidenses como a causa do “mal-estar social” e os protestos mais recentes de “redes e inimigos da revolução cubana financiadas e promovidas dos Estados Unidos”. O GP também declara seu “apoio à democracia venezuelana” e rechaça qualquer “interferência estrangeira”.

Está claro que a esquerda internacional na América Latina sente uma oportunidade. Após as mudanças de rumo político no México (2018) e na Argentina (2019), o eixo político mudou ainda mais para a esquerda pelas eleições na Bolívia (outubro de 2020), através do Chile (eleição para a assembleia constituinte em maio de 2021), Peru (junho de 2021) e mais recentemente em Honduras (novembro de 2021). Segundo o ex-presidente colombiano Ernesto Samper, na Cidade do México uma grande esperança era depositada em um persistente “vento progressivo” na região e, portanto, em uma vitória eleitoral de Gabriel Boric em 19 de dezembro no Chile, do populista de esquerda Gustavo Petro na Colômbia em 2022 e do ex-presidente Lula da Silva em outubro de 2022 no Brasil.

A resposta da direita populista

Como antagonista das duas alianças de esquerda desde o início da pandemia, o partido populista espanhol de direita Vox tenta se posicionar especificamente. Seu presidente, o deputado espanhol Santiago Abascal, promove intensamente o Fórum de Madri, uma “aliança internacional para combater o comunismo na Iberosfera”. O objetivo é encontrar uma “resposta ao Foro de São Paulo e ao Grupo de Puebla”.

Para enfrentá-los, diferentes líderes políticos e sociais de diferentes orientações políticas devem concordar com algumas declarações essenciais: o reconhecimento do “avanço comunista” como uma ameaça à lei e à liberdade, o compromisso com o Estado de direito, a separação de poderes, a liberdade de expressão e propriedade privada, a “defesa” das liberdades políticas e sociais, bem como a promessa dos signatários de trabalhar pela democracia, pelos direitos humanos, pelo pluralismo e pela justiça. Em grande parte, não prestando atenção à pandemia, as delegações do Vox viajaram em 2021, em particular o próprio Abascal, seu colega Víctor González Coello de Portugal e o eurodeputado espanhol Hermann Tertsch para vários países latino-americanos como Colômbia, México, Peru e Equador, bem como para os Estados Unidos.

Ao fazê-lo, conseguiram persuadir a numerosos representantes da política e da sociedade civil a assinar a Carta de Madri. Entre os signatários se encontram políticos de partidos populistas de direita em estreita harmonia com os do centro político. Esse ativismo se complementa pela Fundação Disenso, próxima à VOX, também dirigida por Abascal, que convida jovens políticos latino-americanos para programas de estudo na Espanha. Dessa forma, VOX reúne um projeto comum para atores de afiliação duvidosamente democrática com representantes de partidos firmemente estabelecidos no centro político.

A comparação com o que acontece do outro lado político não parece totalmente absurda. Colateralmente, o partido populista de direita espanhol, como uma autoproclamada ponta de lança contra o “totalitarismo” e o “comunismo” latino-americano, está ganhando uma legitimidade internacional que, de outra forma, dificilmente teria sido capaz de alcançar. Portanto, não é de estranhar que Abascal queira mais para o futuro: uma estrutura permanente e um plano de ação anual.

E o centro político?

Engajados na responsabilidade do governo no contexto da covid-19 ou ocupados com problemas internos, muitos partidos moderados ficaram bastante surpresos com tal ativismo. Dirigir-se a indivíduos em vez de estruturas partidárias inteiras permite que tanto o Grupo de Puebla quanto o Foro de Madri ignorem este último.

Justamente para os representantes dos partidos de centro-direita, muitas vezes lentos, não é fácil reagir adequadamente a essa tática. A tentação de saltar no barco comum com VOX contra a esquerda organizada e cada vez mais forte é grande. Muitas vezes há uma falta de consciência de que uma ação realmente crível contra o autoritarismo organizado de esquerda na região só é possível com parceiros cuja identidade democrática livre é inquestionável.

*Publicação original em alemão no site da Fundação Konrad Adenauer, em 13 de dezembro de 2021.

Autor

Director del Programa Partidos Politicos y Democracia en America Latina de la Fundación Konrad Adenauer con sede en Montevideo, Uruguay.

spot_img

Postagens relacionadas

Você quer colaborar com L21?

Acreditamos no livre fluxo de informações

Republicar nossos artigos gratuitamente, impressos ou digitalmente, sob a licença Creative Commons.

Marcado em:

Marcado em:

COMPARTILHE
ESTE ARTIGO

Mais artigos relacionados