Migração, fronteiras, Covid e mais além

O movimento de pessoas diante da Covid-19 foi drasticamente reduzido. Em 2020, governos de todo o mundo tomaram várias medidas para fechar suas fronteiras para regular a entrada do vírus SARS, mas também e ainda mais a das pessoas. Esta é a primeira vez a nível global que, com a colaboração da sofisticação do controle biométrico em fronteiras, quase todos os países do mundo compartilharam políticas similares ao restringir a entrada de pessoas em seus territórios.

Embora o ponto de inflexão que a pandemia do coronavírus pode ter causado na imigração não esteja isenta de lucubrações, algumas organizações internacionais, como a ONU, sugerem que a pandemia é uma oportunidade de repensar o movimento de pessoas.

Mas o repensar em qual sentido? Para criar maiores restrições? Para gerar mais vulnerabilidades para as pessoas que migram? Para argumentar a favor da criação de mais muros?  São várias as perguntas que surgem e sobre as quais não é possível fazer futurologia.

Os que migram em busca de melhores condições de vida

Ao longo da história ficou claro, ao contrário do que o senso comum nos diz, que a migração não é um evento excepcional, mas uma característica intrínseca do ser humano. Como vários estudos têm demonstrado, a criação de fronteiras a partir da organização do mundo em Estados nacionais foi o que alimentou, ainda mais, a ideia de nós contra os outros.

Desde a criação dos passaportes e vistos até os controles biométricos atuais, os diversos governos têm se preocupado em manter “o controle de suas populações” sob sua órbita. E se já era complicado atravessar fronteiras antes da pandemia de Covid-19, é claro que com fronteiras fechadas isto é muito mais complicado.

De acordo com os números de um novo relatório da Divisão de População do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas, o crescimento do número de migrantes internacionais nas últimas décadas passou de 173 milhões de pessoas vivendo fora de seu país de origem em 2000 para 221 milhões no início da última década e atingiu 281 milhões em 2020.

O mesmo relatório afirma que durante a pandemia a população mundial migrante diminuiu em cerca de 27%. Com o fechamento das fronteiras, eu entendo que deveria ser ainda mais. Um fato interessante é que as caravanas de migrantes que começaram em 2018 vindas da América Central com a intenção de entrar nos Estados Unidos não pararam. Embora seja impossível estabelecer números exatos, de acordo com a Secretaria de Governo do México (SEGOB), quase 81.000 migrantes estrangeiros entraram no país entre janeiro e novembro de 2020. Estes números são consideráveis, embora sejam menos da metade do mesmo período do ano passado. As principais nacionalidades provêm do triângulo norte da América Central, formado por Honduras, Guatemala e El Salvador.

Agora, o que está acontecendo atualmente com aquelas pessoas cuja única possibilidade para sua sobrevivência socioeconômica é migrar para outros países? Se em seus países de origem eles não encontraram nenhum tipo de oportunidade antes da pandemia, é importante descobrir o que está acontecendo agora e, sobretudo, o que acontecerá no futuro.

Os que migram buscando refúgio

Além daqueles considerados migrantes socioeconômicos, há milhões de migrantes que são considerados refugiados porque têm que deixar seus países de origem por estarem em risco por razões de etnia, religião, nacionalidade, filiação a um grupo social ou opiniões políticas, e que não podem ou não querem reivindicar a proteção de seu país. O que acontece com esta população? Como são protegidos pelos organismos internacionais?

Neste contexto de pandemia, novos riscos são acrescentados. Além da falta de assistência médica ao longo de suas viagens, os campos de refugiados trazem mais complicações devido às condições difíceis de manter o isolamento necessário para evitar a contração do vírus.

Os que residem em outro país

A pandemia de Covid-19 também afeta os migrantes assentados. A maioria da população migrante, seja como uma questão de status legal e/ou econômico, tem seus direitos violados mais do que os nacionais. Como exemplo, o acesso dos migrantes aos sistemas de saúde é muito menor do que o da população local.

Um caso paradigmático é o dos venezuelanos que, segundo dados da Organização Mundial para as Migrações (OIM), são uma das populações mais deslocadas do mundo, ultrapassando a barreira dos quatro milhões de pessoas. De acordo com relatórios do Banco Mundial, apesar de migrar para encontrar melhores condições de vida, este grupo se tornou ainda mais pobre e tem maior probabilidade de ser infectado e sucumbir à infecção da Covid-19.

Ao mesmo tempo, metade da população migrante são mulheres e crianças, o que deixa em evidência o impacto desigual da pandemia sobre homens e mulheres, já que a maioria das tarefas de prestação de cuidados recai sobre as mulheres. Mas o movimento coletivo de pessoas continua fluindo, apesar dos riscos colocados pela pandemia. Segundo as autoridades americanas, mais de 100 mil pessoas foram detidas na fronteira sul no último mês.

A pandemia do coronavírus nos deixou algumas certezas: apesar das barreiras e dos riscos, as pessoas continuam a se mover em busca de melhores condições de vida. Portanto, os governos devem estabelecer estratégias para garantir os direitos humanos fundamentais tanto daqueles que migram quanto daqueles que decidem permanecer em seu território.

Foto Thiago Dezan FARPA CIDH

Nossa Newsletter

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com