Para uma democratização internacional da desigualdade?

A desigualdade de renda nos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o clube dos países ricos, está no seu nível mais alto no último meio século. No entanto, os dois países mais pobres do clube, México e Chile – os únicos latino-americanos – juntamente com a Turquia, foram os únicos que reduziram a desigualdade nos últimos anos. Portanto, embora a lacuna permaneça muito ampla, de acordo com dados da própria agência, nos últimos anos a desigualdade de renda entre os países está diminuindo.


Embora durante a década de 1990 e até a crise econômica de 2008, a renda familiar nos países da OCDE tenha crescido em média 1,7% ao ano, a desigualdade também aumentou. Isto é devido, de acordo com um consenso estabelecido, que o crescimento econômico não é suficiente para reduzir as lacunas se não for inclusivo. Enquanto há 25 anos a renda média dos 10% mais ricos da população dos países desenvolvidos era aproximadamente 7 vezes maior que a dos 10% mais pobres, a diferença é atualmente 9 vezes maior.

no final da década de 1980, o aumento da desigualdade começou a se generalizar e, nos anos 2000, se espalhou para países tradicionalmente de baixa desigualdade


Ao longo do tempo, a desigualdade de renda nos países desenvolvidos seguiu padrões diferentes, de acordo com o relatório Uma visão geral das desigualdades crescentes de renda nos países da OCDE: principais conclusões da OCDE. No final dos anos 70 e início dos 80, a desigualdade começou a aumentar em países como os Estados Unidos, o Reino Unido ou Israel. Mas no final da década de 1980, o aumento da desigualdade começou a se generalizar e, nos anos 2000, se espalhou para países tradicionalmente de baixa desigualdade, como Alemanha, Dinamarca e Suécia, onde “cresceu mais do que em qualquer outro lugar na década”. de 2000 ”. A principal causa desse fenômeno para parte da academia é a globalização, porque a integração comercial está associada aos altos salários dos trabalhadores especializados e à defasagem de mão-de-obra menos qualificada.


Enquanto nos países mais desenvolvidos da OCDE a desigualdade aumentou nas últimas décadas, nos países menos desenvolvidos do clube, como Chile, México ou Turquia, reduziu-se consideravelmente de níveis muito altos. No caso das potências emergentes, na China e na Índia, o crescimento econômico sustentado ajudou a tirar milhões de pessoas da pobreza, mas esses benefícios não foram uniformemente distribuídos e a desigualdade de renda aumentou ainda mais. Do grupo de economias dinâmicas emergentes, apenas o Brasil conseguiu reduzir bastante a desigualdade, segundo dados da OCDE.


Apesar da heterogeneidade, “nos dois mil anos, a desigualdade monetária declinou em quase todas as economias do mundo em desenvolvimento” a um ritmo moderado, segundo Leonardo Gasparini, no relatório Desigualdade nos países em desenvolvimento: ajustando as expectativas ?, do Centro de Estudos Distributivos, Trabalhistas e Sociais (CEDLAS). E durante a primeira metade da década atual, embora a uma taxa significativamente menor, a desigualdade média continuou a diminuir. Esse fenômeno contrasta com o rápido aumento da desigualdade experimentada entre o final da década de 1980 e o início dos anos 2000, durante os anos dourados do neoliberalismo.


A considerável redução da desigualdade nos países em desenvolvimento está ligada, em parte, ao boom das matérias-primas. Portanto, um fator determinante na desaceleração da queda da desigualdade foi a desaceleração da economia mundial após a crise econômica que se iniciou há uma década. O arrefecimento econômico significou a redução dos termos de troca, o que permitiu manter altos níveis de emprego, políticas trabalhistas e reformas fiscais que financiaram programas sociais ambiciosos em muitos países que exportam matérias-primas. Nesse contexto, a América Latina foi a região do mundo que mais diminuiu a desigualdade desde 2002, com uma redução em seu coeficiente Gini próximo a 10%.


Essa redução, no entanto, não tem sido suficiente, uma vez que a América Latina continua sendo a região mais desigual, atrás da África Subsaariana. E com um Gini médio de 0,41, ainda está longe dos países da OCDE, cujo índice gira em torno de 0,3. Enquanto nos países da OCDE, a renda média dos 10% mais ricos é 9 vezes maior que a dos mais pobres, no México e no Chile, a diferença é 25 vezes maior. Além disso, o índice médio de desigualdade nos países em desenvolvimento ainda está acima do valor do início dos anos oitenta, o que mostra as dificuldades em reduzi-lo. Entretanto, além das persistentes lacunas entre países desenvolvidos e em desenvolvimento, alguns estudos podem sugerir uma tendência à democratização da desigualdade.

Nossa Newsletter