Trump & Twitter, Trump vs. Twitter…

O Twitter e o Facebook são meras plataformas ou verdadeiros meios de comunicação? Um trabalhador e um magnata, uma organização secreta e uma associação civil, um simples cidadão e o presidente de um país podem circular e intervir neles livremente e em igualdade de condições? Ou é um ambiente social que reproduz as desigualdades existentes, com redes estabelecidas por aqueles que orientam o tráfego e os que nele viajam em carros blindados sem identificação, entidades anônimas e pessoas comuns com nomes e sobrenomes?

O feitiço de Trump com a plataforma que ajudou a catapultá-lo para a Casa Branca está sendo quebrado?

A resposta é simples: todas essas coisas acontecem ao mesmo tempo. Foi com isso que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se deparou. Depois de escolher o Twitter como principal ferramenta de comunicação para se livrar da mídia e dos jornalistas, ele agora se depara com outros obstáculos e freios. A empresa decidiu colocar sinais de alerta em suas mensagens quando estas se mostram potencialmente perigosas, o que muitas vezes é o caso. Essas decisões editoriais ou regras do jogo são para limitar abusos? O feitiço de Trump com a plataforma que ajudou a catapultá-lo para a Casa Branca está sendo quebrado?

O presidente reagiu à sua maneira e assinou uma ordem executiva para pôr fim a um dos pilares da Internet desde 1996: as redes sociais ou comentários em blogs não podem ser relatados pelo que os usuários escrevem. Afirmo que a liberdade de expressão foi cerceada, mas Trump não é um cidadão qualquer, e sua “apropriação” do instrumento como veículo oficial para anunciar decisões, divulgar dados, dar opiniões, insultar pessoas ou fazer campanha tem justamente a característica de não admitir o “contra-interrogatório” de um jornalista em uma coletiva de imprensa, ou o controle que vem com a radiodifusão em um meio de comunicação.

É o presidente e a platéia, sem intermediários. Mas há altos e baixos que podem transformar o sonho do líder populista da era digital 2.0 em um pesadelo. Por exemplo, quando as redes sociais espalham as imagens de um assassinato racista cometido por um policial, o espelho da realidade virtual é quebrado e as pessoas tomam as ruas em protesto como não ocorria há décadas nos EUA. É quando acontece o que Ernesto Calvo e Natalia Aruguete explicam em seu livro Fake news, trolls e outros encantos (Siglo Ventiuno Ed.), como “a ativação em cascata de uma comunidade interconectada”. A imagem de George Floyd pode ser mais de mil notícias falsas na batalha das narrativas.

*Texto originalmente publicado no jornal Clarín, Argentina

Catálogo Foto de Livro em Foter.com / CC BY