As eleições argentinas e uma inflação que resta votos

As eleições legislativas argentinas serão realizadas o próximo 14 de novembro, após as eleições internas de setembro que resultaram em uma retumbante vitória nas urnas da coalizão de oposição Juntos por el Cambio (JxC). Há um repertório de razões que podem ter levado à derrota da governante Frente de Todos (FdT). Além do fato de que os partidos no poder durante a pandemia vêm perdendo eleições, a crise na Argentina tornou-se mais do que crítica nos níveis econômico, social e ético.

Uma quarentena rigorosa, prolongada e compulsória levou ao fechamento de milhares de PMEs, o desemprego continuou a crescer, a pobreza e a miséria continuaram a aumentar. Estima-se que quase 50% da população não pode mais pagar a cesta básica de alimentos e que 7 em cada 10 crianças na Argentina são pobres. Ao mesmo tempo, as medidas governamentais para enfrentar a crise sanitária não conseguiram alcançar os resultados esperados. A Argentina está entre os países com o maior número de mortes de covid-19 por milhão de habitantes. E a insegurança está aumentando.

Nesta situação, não faltaram privilégios para pessoas próximas ao governo que receberam vacinas antes de seu tempo, ou celebrações dos amigos do poder político, incluindo o próprio presidente, em tempos de quarentena total. A isto se soma o que é provavelmente a principal causa de preocupação dos argentinos de hoje: a constante e  elevação dos preços. Assim, a inflação está no topo da agenda pública.

A Argentina tem sofrido com o aumento dos preços desde o final do governo de Cristina Fernández de Kirchner (CFK). Quando ela deixou o poder em 2015, a inflação já era uma questão de preocupação para os argentinos. Desde o governo de Mauricio Macri, do partido Pro da coalizão Cambiemos (agora JxC), a inflação tem continuado a acelerar a passos largos com uma desvalorização constante.

Em 2019, Alberto Fernández tomou posse em meio a uma grave crise macroeconômica com altas taxas de inflação. O novo presidente foi incapaz de conter os gastos públicos, em parte devido às exigências da pandemia, em parte porque a ineficiência e/ou falta de ética levou o governo a gastar mal ou a gastar demais. Em abril de 2020, o Ministério do Desenvolvimento Social comprou toneladas de alimentos para merendeiros sociais a preços superfaturados. No último trecho da campanha atual, o partido governista gastou US$ 7.200.000 em apenas cinco pesquisas para medir seu desempenho eleitoral.

O déficit fiscal é um problema quase crônico na Argentina, e a impressão de dinheiro é geralmente a forma de contornar esses desequilíbrios, gerando inflação inexoravelmente. Além disso, como muitas vezes acontece, estamos atualmente diante de um contexto de alta incerteza, o que leva a altas expectativas de inflação que, por sua vez, levam a um cenário de inflação real (os empresários aumentam seus preços a fim de antecipar o possível aumento futuro de seus custos de produção). Por outro lado, a desvalorização da moeda local converge em um tipo de inflação estrutural, de modo que insumos ou produtos importados aumentam mecanicamente e afetam o preço final de bens e serviços que são consumidos domesticamente.

Na Argentina, o valor do dólar oficial atual é de US$ 100,07 enquanto o valor do dólar paralelo é de US$ 199,50. A fim de impedir que a desvalorização aumente ainda mais os preços, o dólar oficial está fixo desde março de 2021 por decisão do governo. Mas mesmo com o dólar ancorado, em setembro de 2021 a inflação já está em 52,5%.

Este aumento de preços está ocorrendo em um cenário de tarifas públicas quase congeladas. Os serviços de eletricidade, água e gás praticamente não tiveram aumentos. Por outro lado, alguns preços foram regulados em certos ramos e atividades, como o setor de combustíveis.

Ao mesmo tempo, vale a pena notar que na Argentina, após os anos de eleições tem havido regularmente uma desvalorização. Após as eleições legislativas de 2013, durante o governo CFK, a moeda local foi desvalorizada e a inflação subiu de 20% para 40%. Em 2015, depois que Macri ganhou as eleições presidenciais, a moeda foi desvalorizada novamente e a inflação também subiu de 25% para 40%. Em 2017, após as eleições legislativas, Macri desvalorizou novamente e a inflação subiu de 25% para 50%. Assim, em época das eleições o dólar oficial é usado como âncora de preços e depois a moeda local é desvalorizada.

Assim sendo, espera-se que, após as eleições legislativas -num contexto em que o Banco Central não terá as reservas necessárias para conter o dólar oficial, onde o FMI incluirá entre suas exigências de renegociação da dívida a redução da diferença entre o dólar paralelo e o dólar oficial, com um aumento deste último- a desvalorização continue seu curso e, com isso, o problema inflacionário se agravará. Se o preço do dólar subir, o preço “contido” do combustível também deixará de ser contido porque está vinculado ao dólar oficial, assim como os preços quase congelados dos serviços públicos.

Tudo isso revela uma crise inflacionária atual e futura de enorme magnitude na Argentina, que dificilmente pode ser resolvida com um congelamento temporário de preços por um período de alguns meses. Entretanto, esta tem sido até agora a medida tomada pelo governo de Fernández para conter a inflação a curto prazo.

Roberto Feletti, o novo Secretário de Comércio Interno, após detectar que de 1 a 13 de outubro os preços haviam subido acentuadamente (remarcação preventiva) começou a se reunir com fabricantes de alimentos, produtos de higiene e limpeza, com supermercados e posteriormente com fabricantes de medicamentos para impor o congelamento de preços, o que deve ser observado para um total de 1432 produtos por um período de três meses. O próprio Feletti reconheceu que a inflação na Argentina não será resolvida com o congelamento dos preços até o 7 de janeiro de 2022, embora tenha assinalado que “sabemos que existe uma oferta monopolística e que, neste contexto, é necessário regular o consumo essencial”.

As eleições serão aprovadas, as negociações com o FMI continuarão -e as condições do organismo ser farão ouvir mais alto-, o dólar oficial aumentará e a inflação, sem um plano estrutural abrangente, continuará sendo a principal questão para os cidadãos que vivem em solo argentino.

Nossa Newsletter

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com