As possíveis coalizões para as eleições do México de 2024

Diante das próximas eleições do México em 2024, as diversas facções políticas começam lentamente a se movimentar. Neste contexto, o que deteria a facção do PRI, dirigida por Alejandro “Alito” Moreno, de compartilhar uma fórmula eleitoral com o partido oficialista MORENA? Ou que a coalizão PAN-PRD recompusesse a coalizão “Va por México” com o partido Movimiento Ciudadano e a facção do PRI liderada pelo senador Miguel Ángel Osorio Chong?

Nada, a partir de uma teoria elementar de jogos. MORENA precisa reforçar sua coalizão federal, pois está em declínio desde 2018 – embora esteja ganhando governos e municípios – e o PRI, que está em queda livre, precisa de um aliado poderoso que lhe permita recuperar-se. Seria a culminação do PRIMOR – como se denomina a união informal do PRI e MORENA – que tem por trás o fluxo constante de membros do PRI para o partido oficialista onde ocupam atualmente cargos de primeiro nível.

Ademais, se esta aliança for vista em termos de desempenho eleitoral, poderá representar uma maior margem de vitória para MORENA em 2024, inclusive, superior à obtida com seus aliados nas eleições de 2018.

A coalizão “Juntos haremos historia” entre MORENA, PT e PES obteve mais de 30 milhões de votos nas eleições presidenciais de 2018. Mas, em 2021, sofreu uma redução de cerca de oito milhões. O PRI, por sua vez, perdeu pouco menos de um milhão de votos entre 2018 e 2021.

Neste contexto, MORENA precisa dos votos do PRI, porque no caso hipotético de uma coalizão MORENA-PRI-PVEM-PVEM-PT-PES, se somarmos os votos de 2021, estaríamos falando de 31 milhões de votos, um aumento de um milhão em comparação aos obtidos em 2018. E se a política eleitoral é somar, não há obstáculos políticos ou ideológicos para MORENA e o PRI de “Alito” Moreno entrarem em uma grande coalizão nas eleições de 2024. Pelo contrário, há incentivos para fazê-lo.

Não é este o acordo que o Presidente López Obrador traz ao líder do PRI através do Secretário do Governo, depois que os deputados priistas aprovaram a ampliação constitucional para a presença do exército nas tarefas de segurança pública?

Em 2018, a coalizão encabeçada por PAN e PRI obteve 8 milhões de votos a menos do que a coalizão vencedora de López Obrador. E, nas eleições de meio-termo de 2021, perderam outros quase dois milhões e meio. A queda dos partidos desta coalizão – e também da oposição – poderia ser explicada pelo fato de nas eleições de meio-termo haver regularmente uma redução da participação.

Enrique Alfaro, – governador de Jalisco e alto dirigente do partido de centro-esquerda MC –, ao saber da “traição” de Alejandro “Alito” Moreno e da saída virtual do PRI da coalizão “Va Por México”, declarou imediatamente que havia condições para abrir conversas com os dirigentes do PAN e do PRD para estudar uma coalizão para as próximas eleições. Sem dúvida, os incentivos para mostrar um rosto renovado e se distanciar do PRI de “Alito” são altos.

Em 2018, a coalizão “México al Frente”, que aglutinou o PAN, PRD e MC, e levou o membro do PAN Ricardo Anaya como candidato, alcançou cerca de doze milhões e meio de votos, muito longe da vitoriosa coalizão “Juntos haremos história”.

Em 2021, os caminhos se bifurcaram e MC decidiu competir sozinho, enquanto PAN e PRD formaram uma nova coalizão com o PRI chamada “Va por México”. O PAN alcançou quase nove milhões de votos e o PRD quase dois, enquanto o MC conseguiu se tornar a quarta força política com três milhões e meio. Juntos, esses três partidos teriam alcançado 14 milhões de votos, apenas cinco milhões a menos do que “Juntos haremos historia”.

Neste contexto, a saída da facção do PRI de Alejandro “Alito” Moreno da coalizão “Va por México” não deve ser vista apenas em termos de traição, mas também levando em conta seu peso específico. A política em tempos de pragmatismo é sempre baseada em cálculos de votos. Portanto, em um contexto de alta competitividade, como são previstas as próximas eleições em 2024, a jogada de ameaçar o dirigente do PRI com a remoção de foros para que seja julgado e enviado à prisão pode fazer parte da estratégia.

Além de especulações, se tudo correr como MORENA calcula, sua coalizão obteria de novo a presidência da República e o PRI ganharia mais representação do que tem atualmente. Isso dependerá das negociações.

Em conclusão, uma eventual coalizão reconfigurada será provavelmente mais atraente do que competir separadamente. E um bom candidato presidencial com um programa que apoie a defesa das instituições democráticas, as críticas à política econômica e a luta contra a insegurança seria certamente comprado por muitos cidadãos insatisfeitos com a gestão de Obrador e endossaria o voto dividido expresso nas últimas eleições.

Nossa Newsletter

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com