Contra Trump vivíamos melhor

Agora que passamos o final do “ano em que vivemos perigosamente”, vale a pena fazer um balanço e nos perguntarmos sobre as perspectivas da “nova era”, uma vez confirmada constitucionalmente a derrota de Donald Trump. O novo ambiente é dominado por um desconforto que é presidido por uma pesada laje de incerteza. Este sentimento é causado pela enormidade dos danos causados pela presidência de Trump. A única dúvida que enche o ambiente é sobre a permanência do desastre causado pelo período de quatro anos que agora termina.

Inserida no contexto da satisfação pela cessação do pesadelo, está a previsão de certa nostalgia. Baseou-se na estratégia relativamente bem estabelecida de confrontação diante do que foi rotulado como a formação de uma ditadura dentro da mais antiga das democracias da história documentada. Nós nos perguntamos o que faríamos ao acordar, obcecados com uma agenda cheia de um único “issue”.

Alguns de nós temíamos que, no momento supremo da expectativa do sucesso de uma estratégia de confronto, nos lembrassem que, no panorama da importância e solidão do questionamento da política irracional do presidente, seríamos injustamente acusados. Inusitadamente, tivemos um cúmplice indesejado e ao mesmo tempo crucial para conseguir o despejo do inquilino desconfortável da Casa Branca.

O comportamento irracional do presidente

Não sabíamos como poderíamos agradecer, por assim dizer, a ajuda da pandemia que ainda agarra o planeta. O comportamento irracional do presidente nas sucessivas etapas do aparecimento da Covid-19, seu desenvolvimento, expansão e implantação em todo o planeta, havia se tornado o pior inimigo de Trump e o melhor aliado do comportamento da oposição. Havia um sentimento inconfundível de que a introdução do vírus e o conseguinte negacionismo de Trump se uniram aos esforços da oposição política para conseguir a defenestração, ainda que nos limites de sua administração.

Todo ser humano infectado, especialmente nos Estados Unidos, e toda morte certificada, contabilizada pela política de saúde errática de Trump Click To Tweet

Todo ser humano infectado, especialmente nos Estados Unidos, e toda morte certificada, contabilizada pela política de saúde errática de Trump, foi registrada como “votos” na contagem das eleições de 3 de novembro. A esperança de que a Covid-19 desapareceria magicamente uma noite, como o próprio Trump previu surrealisticamente no início da primavera de 2020, representaria a morte do formidável inimigo que pairava sobre a Casa Branca.

Enquanto isso, a oposição ao presidente na aparente maioria nos Estados Unidos e na proporção universal no exterior dedicavam seus esforços em uma agenda exclusivamente reacionária a cada ultraje do presidente. Mas se notava a ausência de uma estratégia múltipla composta por um programa para “o dia seguinte”.

Os democratas

No campo democrata, faltava um plano para o futuro. A discussão sobre o melhor candidato e seu colega no ticket estava se arrastando. Esse detalhe não foi esclarecido até a decisão a favor de Biden e depois com a adição de Harris como candidata à vice-presidência. Em um ambiente reticente à formação de “gabinetes na cozinha”, como tem sido costume no Reino Unido desde tempos imemoriais, foi notada a ausência de um programa governamental a ser implementado após 3 de novembro.

temia-se que um dia as pessoas exclamassem com nostalgia mal escondida: "contra Trump vivíamos melhor Click To Tweet

Em vista da sensação de insegurança mal escondida, temia-se que um dia as pessoas exclamassem com nostalgia mal escondida: “contra Trump vivíamos melhor”. Esta ocorrência tem sua origem na meditação que o Partido Comunista Espanhol expressou na época da reinstalação da democracia na Espanha, após o desaparecimento do regime franquista. Seu precedente foi a afirmação feita pelos remanescentes do regime: “com Franco vivíamos melhor”. Os comunistas, vendo que seu espaço reservado era ocupado pelos neo-democratas, confessaram que quando estavam na oposição enterrada tinham mais poder efetivo do que na democracia parlamentar.

A oposição a Trump pode ser forçada a se expressar da mesma forma assim que o sistema for totalmente aberto no final de janeiro. Ela terá baseado toda sua conduta em críticas a toda e qualquer “política” do governo. Na realidade, eles eram apenas caprichos expressos nas altas horas da madrugada, clicando em seus telefones celulares. O monumental vazio deixado pela má administração de Trump ainda será ocupado pela atenção à correta aplicação da vacina e comprovação de sua excelência, uma tarefa que se estenderá pelo restante de 2021.

Dependerá da eficácia da implementação das medidas urgentes do novo governo que o eleitorado não seja tentado a ouvir novamente os cantos da sereia de 2016. Reconstruir a economia, reduzir os danos causados aos setores mais necessitados, integrar melhor a imigração e lutar resolutamente para eliminar o racismo são alguns dos assuntos mais urgentes do novo governo. Somente uma resolução razoável evitará que alguns dos 70 milhões que votaram no presidente de saída sejam tentados a exclamar: “com Trump vivíamos melhor”.

*Tradução do espanhol por Maria Isabel Santos Lima

Foto por vpickering em Foter.com / CC BY-NC-ND

Nossa Newsletter