Leis inaplicáveis para a América Central

Em dezembro de 2020, o Congresso dos EUA aprovou o HR 2615, mais conhecido como a Lista Engel. Segundo ela, o presidente deve apresentar ao Congresso a cada seis meses uma lista de cidadãos da Guatemala, El Salvador e Honduras que tenham incorrido em ações fraudulentas. Quer tenham afetado processos ou agências estatais ou privadas, quer tenham participado de atos graves de corrupção ou dificultado investigações. Se fosse rigoroso, seria uma longa lista.

Como qualquer iniciativa que vem do norte, a chamada Lei de Compromisso Reforçado do Triângulo do Norte desperta sentimentos mistos. De gestos de desconfiança a tímidos sinais de esperança.

Mas ninguém no Triângulo do Norte da América Central acredita nisso. Talvez algum elemento secundário possa cair na mistura, como se fosse para dar o exemplo. Mas somente aqueles que não se curvam aos ditames de Washington têm realmente medo de serem incluídos. O que não é uma posição comum entre os corruptos. E a história pessoal e política de Biden não nos permite esperar mais nada.

Aqueles da Lista Engel, uma referência ao Deputado Eliot Lance Engel, autor do projeto de lei, enfrentarão sanções que vão desde ter seus vistos revogados até serem declarados inelegíveis para vistos. Eles também não terão nenhum benefício de imigração e, se condenados pelos tribunais dos EUA, não serão elegíveis para liberdade condicional.

Perder o visto dos EUA ou não conseguir obtê-lo implica, por um lado, uma certa perda de prestígio aos olhos de suas próprias sociedades. Por outro lado, para políticos, funcionários, empresários ou membros do crime organizado, trata-se de um problema operacional para seus próprios negócios. É no norte onde a maior parte do dinheiro mal obtido é lavado e onde muitas das empresas com as quais eles podem fazer negócios como parte dessa lavagem estão localizadas.

Diferença com a Lista Magnitsky

Não poucas pessoas apelaram para uma suposta sobreposição de propósitos com outra lista, a Lista Magnitsky, também criada nos Estados Unidos. Mas não existe tal sobreposição, já que esta lista se concentra nos funcionários que participaram do que os Estados Unidos consideram violações dos direitos humanos. A inovação da Lista Engel é a expansão das pessoas-alvo.

A nova lei tem 14 seções, dez das quais estabelecem os componentes e ações que a Casa Branca deve implementar como elementos-chave de suas políticas em relação a El Salvador, Guatemala e Honduras. Será o Departamento de Estado que coordena, junto com a USAID e outras agências federais, a provisão de comitês congressionais e avaliações de situação e relatórios de progresso sobre a implementação da lei.

Princípios da lei

Algumas seções incluem parâmetros para a denúncia de violações e abusos dos direitos humanos pelas forças de segurança, execuções extrajudiciais, tortura, desaparecimentos forçados e detenções arbitrárias realizadas por ou em cumplicidade com membros das forças de segurança. Ela também contém especificações sobre a eficácia das estratégias implementadas para combater a corrupção, financiadas por contribuições multilaterais.

Mas o aspecto mais interessante da lei é a inclusão da corrupção e seu impacto sobre a migração de nacionais. É uma novidade que este flagelo seja incluído como causa do fenômeno migratório, pois até agora, estas causas estavam focalizadas na pobreza e na violência como os únicos desencadeadores.

Embora a corrupção não tenha um efeito direto sobre a migração, ela é responsável pela degradação das condições de vida de uma grande parte da sociedade. Condições marcadas por serviços públicos inadequados, impunidade prevalecente, deslocamento interno e impossibilidade de mobilidade social, entre outros males.

Obstáculos à sua implementação

A pessoa escolhida pelo Departamento de Estado para chefiar o Escritório de Assuntos Hemisféricos Ocidentais liderará o “compromisso diplomático”. Um eufemismo muito comum em Washington que deve ser entendido como pressão a qualquer custo. Ou simplesmente torcer o braço das autoridades locais para impulsionar as ações da estratégia que a lei determina.

Mas será que este oficial deve ser capaz de lidar com um Juan Orlando Hernandez que muitos inferem que ainda está procurando uma maneira de permanecer no poder, dado o que supostamente o espera diante de alegações de cumplicidade com traficantes de drogas? Será ele capaz de enfrentar um Nayib Bukele arrogante, autoritário e egocêntrico, cujas ações não são muito diferentes dos furtos de seus antecessores no cargo? Será ele capaz de fazer algo a respeito de Alejandro Giammattei, mais um elo da cadeia que historicamente beneficiou as máfias de Chapo entrincheiradas no estado?

Ele não poderá contar com o aparelho judiciário, os ministérios públicos ou os outros ramos do governo para fazer seu trabalho. Todos eles estão em união com as máfias e, em alguns casos, são participantes da corrupção. Portanto, dependerá das pressões que a Casa Branca estiver disposta a aplicar sobre os governos da região.

Condições para alocações monetárias

A lei também prevê condições para o desembolso de fundos alocados às estratégias para a região. Estas condições se referem às imposições – nunca cumpridas – estipuladas pela Parceria para a Prosperidade da administração Obama.

As condições incluem aspectos como o combate ao tráfico de drogas e de pessoas, informar os cidadãos sobre os perigos da migração irregular, garantir que as forças de segurança respeitem os direitos humanos e que os infratores dos direitos humanos sejam processados. Poderíamos continuar… mas o acima exposto é suficiente para compreender a impossibilidade de impor estas condições às elites destes três países super imersas num sistema de poder hegemônico, impune, imune e blindado de todos os ângulos e bordas.

Portanto, a eficácia da Lista Engel será determinada pela vontade política do governo dos Estados Unidos, que sem dúvida priorizará seus próprios interesses sobre qualquer situação no Triângulo do Norte. A corrupção e as violações dos direitos humanos não importarão se atrapalharem os objetivos de curto ou longo prazo estabelecidos por Washington.

*Tradução do espanhol por Maria Isabel Santos Lima

Foto de Keneth Cruz em Foter.com / CC BY-NC

Nossa Newsletter

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com