Novos progressismos latino-americanos

O Primeiro-Ministro peruano Guido Bellido foi duramente insultado e atacado por congressistas da oposição enquanto se dirigia ao Congresso peruano em Kechwa. Na verdade, este gesto simbólico foi a coisa mais substantiva que ele disse; nenhum anúncio estrutural foi feito sobre as reformas que estão sendo preparadas ou as metas que estão sendo propostas. A eleição de Elisa Loncón, uma intelectual e ativista mapuche, como presidenta da Assembleia Constituinte do Chile foi também um emblema das mudanças institucionais que ainda não estão em andamento, mas que podem ser sentidas. Como no Peru, no Chile esses gestos iniciais também despertaram ressentimentos letárgicos e reações desproporcionais. Junto com a Colômbia, os três grandes países do Pacífico sul-americano surgiram nas últimas duas décadas como os campeões mais bem sucedidos da estabilidade neoliberal. E todos os três estão agora sitiados, após fortes explosões de protestos populares, prevalentemente protagonizados por jovens, que constituem uma reação surpreendente das profusas vítimas deste triunfo.

Chile, Colômbia e Peru: novos progressismos latino-americanos?

Cada um tem suas próprias peculiaridades. Os protestos peruanos não atingiram a escala maciça dos de seus vizinhos ao norte e ao sul. O Chile experimentou um progressismo diluído sob Michelle Bachelet, cujas tímidas reformas nem sequer tentaram minar seriamente o modelo econômico que mais ou menos silenciosamente acumulou um número sem precedentes de náufragos em suas costas. No Peru, Ollanta Humala não conseguiu sequer imaginar o esboço de qualquer reforma antes de abandoná-la. Nada semelhante na Colômbia, devastada por vinte anos de hegemonia Uribista sem restrições, baseada, como sempre foi, em um punho de ferro contra uma guerrilha que perdeu sua última chance de paz com dignidade em 1999.

O boom dos preços das commodities acumulou excedentes e permitiu uma tímida redistribuição da renda em comparação com a década regressiva dos anos 1990, mesmo nesses países, anunciadores da ortodoxia econômica. Por que não ocorreram convulsões políticas semelhantes às da Bolívia, Equador e Venezuela? Uma característica comum no Chile, Peru e Colômbia era o que se poderia chamar de uma verdadeira direitização da sociedade, que se encontra como uma força subjacente à permanência do modelo econômico liberalizante.

O fujimorismo no Peru é impensável sem o cansaço, o horror e o choque de uma década de uma das guerras civis mais violentas do hemisfério. Segundo o relatório dos direitos humanos, após o fim da guerra, o Sendero Luminoso tem a duvidosa honra de ter se tornado o único grupo guerrilheiro no continente a ter matado mais pessoas do que o Exército. Derrotar Sendero pela força foi a base da hegemonia política incontestada durante uma década de mais uma das dinastias políticas corruptas às quais a história latino-americana nos acostumou. Desde 2000, o Fujimorismo tem sido uma minoria líder, mas sua influência se baseia precisamente no descrédito de que qualquer luta social ou discurso de redistribuição sofreu com a tragédia de ter incubado a coisa mais próxima da brutalidade de Pol Pot no continente.

O Uribismo na Colômbia tem uma história de sucesso baseada em uma origem semelhante. As FARC não se assemelham ao Sendero Luminoso, mas a guerra durou cinco vezes mais tempo; e também ela se enredou, a ponto de se degradar, com muito tráfico de drogas e violência criminosa. Tornou-se para muitos, por muito tempo, um modo de vida, em vez de uma escolha forçada por um tempo limitado. A vitória militar Uribista, com sua comitiva de intransigência e atropelamento de todos os direitos humanos mínimos, jogou a guerrilha de volta às margens da qual ela havia emergido nos anos 1980.

Uribe e Fujimori encarnaram o punho de ferro para combater a desordem e a incerteza. A sociedade tornou-se de direita no calor desta luta contra aqueles que afirmavam representar, no discurso que articulavam, um programa de igualdade social e justiça econômica. As crueldades econômicas atrozes do neoliberalismo, com sua comitiva de incertezas e desigualdades, empalideceram diante das conquistas viriles do guerreiro intransigente. Aqueles que levantaram um discurso de justiça e redistribuição, contrários ao neoliberalismo, acabaram manchados pela sombra difusa de seus precedentes militares.

Não havia tal guerra no Chile. Mas a Unidade Popular (1970-1973) sofreu uma derrota semelhante e sem precedentes. Impulsionada pelo medo, a experiência neoliberal chilena foi capaz de reduzir a pobreza a mínimos históricos no Terceiro Mundo, mas ao custo da crescente polarização e desigualdade. A direitização da sociedade chilena é mais difícil de explicar; talvez esteja em uma combinação de fatores de longo prazo, como uma classe dominante muito mais homogênea, e fatores de médio prazo, como uma série de mecanismos tecnocráticos para paliar as desigualdades, impulsionados por um Estado excepcionalmente forte respeito aos padrões latino-americanos. O que é certo é que as exclusões neoliberais explodiram primeiro e principalmente entre os jovens, que aos poucos acumularam queixas, primeiro na forma de desinteresse e negligência, depois na forma de raiva de rua de longa duração.

Seja como for, o resultado é uma forte deslegitimação dos três países “modelo” da ordem liberalizadora na América do Sul. Aqueles que tinham resistido com sucesso à onda rosa e que foram retidos pelos principais formadores de opinião da imprensa como o exemplo do que precisava ser feito. Diante do colapso da imaginação popular de seus próprios países, as forças políticas que agora estão na defensiva estão pouco protegidas: elas só podem afirmar que a alternativa é ainda pior. Os exemplos da neo-somocista Nicarágua de Daniel Ortega e Rosario Murillo, ou o desastre econômico do Madurismo, estão lá para ilustrar isto.

Aprender com as experiências passadas e criar alternativas

Nestas condições, estas novas esquerdas incubadas em meio a uma experiência histórica semelhante de direitização social, agravamento das desigualdades, exclusões econômicas e dificuldade em construir uma alternativa política, fariam bem em ler as experiências do mais recente progressismo latino-americano.

Não lhes compete, nem por princípio nem por estrito expediente político, estar vinculadas ao exemplo de autocracias dignas de serem seus inimigos. Mesmo aquelas experiências muito distantes dos protótipos extremos do Madurismo ou Orteguismo, o Correísmo do Equador e o Evismo da Bolívia, exibem uma deriva caudilhista incompatível com a maturação vigorosa dos movimentos sociais ativos, audaciosos e autônomos que uma genuína transformação radical e de longo prazo do modelo econômico e da sociedade dominante exige.

De Mariátegui a Allende, passando pelas experiências autonomistas das colônias Sumapaz, há na memória, história e imaginação destes três países, a capacidade de inventar horizontes alternativos a partir dos materiais que estão espalhados em seu caminho.

Um desses materiais é a enorme força da rejeição gerada pelas injustiças e crueldades do modelo neoliberal, mas outro é a forma fracassada como experiências andinas anteriores de progressismo lidaram com a complexa relação entre movimentos sociais transformadores e movimentos políticos no Estado. Há maneiras melhores. E as alternativas podem ser experimentadas nesses países.

Foto de Paulo Slachevsky

Nossa Newsletter

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com