Os desafios da política paraguaia frente às eleições de 2023

No próximo 18 de dezembro, serão realizadas no Paraguai as eleições internas simultâneas para os grupos políticos que disputarão as eleições gerais em abril de 2023. Estas eleições estão ocorrendo em meio a um cenário complexo de reformas substanciais do sistema eleitoral, a recente eleição de dois novos ministros do Tribunal Superior de Justiça Eleitoral (TSJE) e o aumento da influência do crime organizado no financiamento da política.

Devido aos altos níveis de filiação partidária concentrada (mais de 70% das listas eleitorais) nos dois partidos tradicionais, o Colorado e o Liberal Radical Auténtico, os índices de competitividade e mobilização eleitoral em suas eleições internas são elevados. Por conta disso, os resultados, em muitos casos, são uma prévia do que vai acontecer nas eleições gerais.

Desafios para o processo eleitoral

Em junho passado, o Senado elegeu como novos ministros do TSJE os doutores Jorge Bogarín González e César Rossel, o primeiro, independente; o segundo, pertencente aos registros do Partido Liberal Radical Auténtico. Estes ministros se integraram ao Tribunal, acompanhando o Dr. Jaime Bestard, do Partido Colorado, na liderança do órgão eleitoral. Em meio a este processo de reorganização institucional do dito órgão, serão feitas as eleições internas.

A figura da Concertação, o desbloqueio das listas fechadas e o uso de máquinas eletrônicas de votação, estas duas últimas medidas aprovadas pela Lei nº 6318/19, tornam estas eleições do próximo mês de dezembro um evento histórico. Embora o desbloqueio e as máquinas de votação já tenham sido implementadas nas últimas eleições municipais, serão utilizadas pela primeira vez em eleições internas simultâneas para eleições gerais. Por outro lado, os partidos e movimentos políticos da oposição se alinham em torno da figura da concertação, tendo sido historicamente utilizada a aliança como plataforma eleitoral, o que implica menos requerimentos formais para os partidos que a integram.

Atores centrais em competição

A Concertación Nacional «Para un Nuevo Paraguay» é composta por 23 partidos e dois movimentos políticos de oposição. A presidência do grupo político é exercida por Esperanza Martínez da Frente Guasú, da Frente Guasú, que foi ministra da Saúde no governo de Fernando Lugo e atualmente é senadora nacional. A tendência ideológica da Concertación é heterogênea e abarca a maior parte do espectro do eixo esquerda-direita.

Quanto às candidaturas para o Congresso (senadores e deputados), cada partido apresenta suas listas para competir entre si e utilizam exclusivamente suas listas partidárias. A nível regional, alguns partidos e movimentos recorreram à figura da aliança e concordaram em integrar suas listas finais com candidatos de distintos partidos. Este arranjo complexo cria confusão entre os setores do eleitorado, que manifestam desconhecimento sobre como devem votar no dia. 

Frente às eleições, o Partido Colorado se mantém como ator protagonista da política nacional. Sua filiação partidária é de mais de dois milhões e meio de pessoas filiadas e elegíveis para votar nas eleições de 18 de dezembro, o que representa quase metade das listas eleitorais. São 73.000 pré-candidaturas para posições eletivas e partidárias que estarão em disputa.  

Para a presidência e vice-presidência da república, há dois pré-candidatos que disputam com chances reais: o movimento Fuerza Republicana, vinculado ao presidente Mario Abdo Benítez, que está dirigindo Arnoldo Wiens para o cargo de presidente, e o movimento do ex-presidente Horacio Cartes (2013-2018), Honor Colorado, que está dirigindo Santiago Peña, atual presidente do partido e deputado nacional.

Este partido escolherá, além disso, suas autoridades internas na mesma eleição. Assim, a presidência da organização política será disputada pelo ex-presidente Cartes contra Abdo Benítez.

Incidentes do contexto pré-eleitoral

Para além das mudanças que complexificam a eleição, o contexto político nacional se viu convulsionado entre julho e agosto pela alegação por parte do governo dos Estados Unidos ao ex-presidente Cartes como “significativamente corrupto”, devido a uma suposta lavagem de dinheiro e uma conexão com organizações terroristas. Posteriormente, o atual vice-presidente, Hugo Velázquez, também foi nomeado por suposto suborno para obstruir uma investigação sobre lavagem de dinheiro.

O impacto imediato foi a renúncia de Velázquez da pré-candidatura presidencial que levava adiante até esse momento e contava com o apoio do partido governista. Este último desestruturou o projeto político e forçou a comitiva do presidente Abdo a substituir sua candidatura em meio ao já avançado processo eleitoral.

Por outro lado, em setembro, um incêndio em um dos depósitos do local do TSJE destruiu nada menos que umas 7.500 máquinas de votação e equipamentos tecnológicos do sistema de Transmissão de Resultados Eleitorais Preliminares (TREP). O incidente ocorreu 45 dias antes das eleições internas partidárias. 

Desafios e oportunidades

As eleições serão realizadas em um ambiente desafiador para os partidos políticos e para o TSJE. A implementação do desbloqueio acelerou significativamente o aumento dos custos das campanha e é uma oportunidade para o financiamento político ilegal, o que, por sua vez, desafia os órgãos públicos de controle.

A destruição das máquinas de votação que são insubstituíveis força uma reestruturação dos locais e seções eleitorais, assim como o aumento do número de eleitores por seção eleitoral e o prolongamento do horário de votação até as 19 horas (7:00 p.m.).

A isto deve ser acrescentada a própria complexidade do surgimento da Concertación como figura eleitoral e o uso dos cadernos eleitorais nacionais para as candidaturas para o Executivo e dos cadernos partidários para as candidaturas para os órgãos plurinominais nas eleições internas da Concertación.

Nossa Newsletter

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com