Vamos derrubar todas as estátuas!

A cada ano, com a chegada de 12 de outubro, na maioria dos países hispano-americanos surgem posições opostas em torno da colonização espanhola, iniciada em 1492 e finalizada na primeira metade do século XIX com os processos de independência. O Equador não é uma exceção: enquanto para alguns a existência da chamada “lenda negra” gerou um imaginário de vingança, repúdio e ódio ao que era o Império Espanhol, para outros é uma data que lembra mais de 500 anos de resistência dos povos originários, que tiveram que suportar o saqueio, o sofrimento e a submissão da autoridade colonial e republicana.

Por ocasião da data, estátuas de diferentes personagens da era colonial foram derrubadas ou vandalizadas em diferentes cidades da América Latina e dos Estados Unidos. No caso do Equador, alguns grupos de manifestantes indígenas e outros que se autodenominam “hispanistas” encontraram na estátua de Isabel a Católica o espaço ideal para expressar suas posições a respeito do período colonial e introduzir na discussão pública o velho debate sobre a presença espanhola na América.

Mas em um país como o Equador, onde ao longo de sua história foram criados imaginários de líderes carismáticos, baseados em supostos mandatos divinos ou inspirações messiânicas, e cuja autoridade se articula em torno da figura do “iluminado”, a existência de monumentos que lembram essas lideranças é, sem dúvida, prejudicial. Uma história marcada pela distinção Schmittiana de “amigo-inimigo”, que reforça os relatos da bondade e dos pecados de diferentes líderes, distorce o que aconteceu em torno desses processos políticos e sublinha a importância de entender esses processos como mecanismos para a busca do poder; como meios para atingir fins específicos.

A existência de uma memória histórica, que se concentra nos indivíduos e não nos processos, nos impede de ver que por trás dessas figuras idealizadas sempre existiram outros atores sem os quais seu sucesso teria sido impossível. Tal é o caso dos afro-americanos que, no processo de emancipação das repúblicas americanas, mudaram suas vidas pela possibilidade de sair da escravidão. Há também os indígenas, que com seu trabalho e apesar da oposição das elites latifundiárias, ajudaram a construir estradas que permitiram um maior comércio interno no período conhecido como “Garcianismo” (1859-1875). Ou a participação de uma elite costeira na expansão, com ideias liberais, que teve seu ápice na revolução de 5 de junho de 1895.

alimentar os mitos relacionados aos heróis do país nada mais faz do que reproduzir a existência de figuras onipresentes na história, perpetuando a lógica da “beatificação” ou da “demonização”.

Em sociedades onde a política é estruturada em torno do culto à personalidade e onde o populismo faz parte de uma cultura política oposta às instituições da democracia liberal, alimentar os mitos relacionados aos heróis do país nada mais faz do que reproduzir a existência de figuras onipresentes na história, perpetuando a lógica da “beatificação” ou da “demonização”. Tanto é assim que não surpreende que ainda se ignore a definição dos povos indígenas como uma “classe abjeta e miserável” na Constituição de 1830 (mesmo que já tenhamos nos “libertado da opressão ibérica”), ou que 145 anos após sua morte, Gabriel García Moreno ainda seja considerado um “presidente mártir”. Entre outros casos semelhantes, alguns ainda consideram que Eloy Alfaro Delgado (líder da revolução liberal no final dos séculos XIX e XX) foi o único construtor da ferrovia que ligava a costa com a serra (uma obra que começou em 1873), e o que é pior, que em meados do século XXI, o ex-presidente Rafael Correa é considerado o “sucessor” do projeto liberal de Alfaro.

Se queremos rever a história, que seja desconstruindo nossos “messias” e não “branqueando” processos violentos de dominação, como alguns grupos estão defendendo atualmente, especialmente através de redes sociais. Continuar lembrando os líderes através de uma narrativa que os coloca acima do resto dos mortais, não mudará esse imaginário que busca o retorno de um “escolhido”, que “salvará a pátria”. Se necessita uma democracia com instituições fortes e, para consegui-la, não basta ter um desenho institucional que permita seu funcionamento, mas uma cultura política que a favoreça.

E, talvez, um dos principais desafios para a sociedade equatoriana é precisamente construir essa cultura política que permita verdadeiramente compreender o significado de democracia. Uma democracia que reconhece o pluralismo das visões de mundo, das construções históricas e das posições políticas, tão necessárias para um equilíbrio político que garanta o exercício pleno dos direitos e liberdades fundamentais. Uma cultura política que favoreça a participação política longe de ameaças, da violência e do desrespeito entre posições opostas; que permita maior inclusão e competência de setores historicamente excluídos, afastando-se assim dos fantasmas autoritários e totalitários que também se alimentam dos líderes políticos. É por isso que não só as estátuas dos colonizadores, colonizados ou aqueles que nos governaram devem ser derrubadas; todas devem ser derrubadas!

*Tradução do espanhol por Maria Isabel Santos Lima

Foto de C. Matges em Foter.com / CC BY

Nossa Newsletter