O aumento da percepção da corrupção: uma boa notícia

De acordo com o Índice de Percepção da Corrupção recentemente publicado pela Transparência Internacional, a corrupção aumentou no ano passado na América Latina. O retrocesso foi notável em 11 países, o México registrou a maior queda e a Venezuela consolidou sua posição como um dos países mais corruptos do mundo. Em 2016, os latino-americanos testemunharam o vazamento dos Panama Papers e a revelação do caso Odebrecht, dois dos maiores escândalos da história.

Apenas cinco meses após a prisão do ex-presidente guatemalteco Otto Pérez Molina por liderar uma rede de fraude aduaneira em seu país, Marcelo Odebrecht, ex-presidente da maior empresa de construção da América Latina, foi condenado a quase 20 anos de prisão em março de 2016. Depois de negociar o maior acordo de delação premiada da história com 77 executivos da empresa, o relatório do Departamento de Justiça dos EUA foi publicado em 22 de dezembro. Neste documento, representantes de empresas explicam como, durante 15 anos, pagaram cerca de US$ 800 milhões em subornos para adquirir contratos de mais de 100 projetos em 12 países latino-americanos.

Além das repercussões que teve no Brasil, o acordo tornou-se uma ameaça para a classe política dos países envolvidos. Embora o Departamento de Justiça dos EUA ainda não tenha divulgado os nomes dos envolvidos fora do Brasil, promotores e governos da Venezuela, República Dominicana, Panamá, Argentina, Equador, Peru, Guatemala, Colômbia e México anunciaram que iniciarão investigações.

No Peru as repercussões foram praticamente imediatas e a promotoria já pediu a prisão do ex-presidente Alejandro Toledo que é acusado de ter recebido 20 milhões de dólares em subornos. Além do sucessor de Fujimori – também preso por corrupção – o caso pode ameaçar todos os ex-presidentes peruanos desde o retorno à democracia.

A Colômbia é outro país que vive um terremoto político. Tanto a campanha eleitoral do presidente Santos quanto a do ex-ministro da Fazenda Óscar Iván Zuluaga, candidato do Centro Democrático de Uribe, estão sob investigação por suposto financiamento ilegal. Até agora, o ex-ministro dos Transportes de Álvaro Uribe, Gabriel García, e o ex-senador Otto Nicolás Bula foram presos por receberem mais de US$ 11 milhões em subornos.

Neste momento, as primeiras acusações estão vindo à luz. No entanto, os documentos divulgados até agora só podem ser a ponta do iceberg. Alguns dos principais executivos da empresa ainda não declararam e, portanto, há uma grande expectativa de que os escândalos continuarão a ser descobertos.

No dia 9 de maio, quando Marcelo Odebrecht estava preso há apenas dois meses, os jornais de todo o mundo amanheceram com a manchete do Panama Pepers. Através do Consórcio Internacional de Jornalistas, 11,5 milhões de documentos confidenciais do fornecedor de serviços corporativos Mossack Fonseca foram vazados, com dados financeiros de seus clientes. A informação afetou dezenas de líderes mundiais e figuras públicas de todo o mundo com ligações a estruturas financeiras opacas em paraísos fiscais que permitem a evasão fiscal.

Embora seja um estudo realizado no Panamá, os documentos vazados contêm informações que afetam clientes em todo o mundo, de modo que um grande número de latino-americanos, incluindo políticos e empresários, foram afetados. Na Argentina, por exemplo, os documentos ligavam o próprio Presidente Macri a uma empresa offshore registrada nas Bahamas. No Brasil, políticos de seis partidos estavam ligados a esse tipo de empresa. E no Equador, o principal nome citado foi o de Pedro Miguel Delgado Campaña, ex-governador do Banco Central e primo do ex-presidente Rafael Correa.

Esta onda de acusações e julgamentos faz de 2016 um ano ícone da corrupção na região, uma vez que tantas pessoas próximas ao poder em tantos países ao mesmo tempo nunca foram acusadas.

Esta onda de acusações e julgamentos faz de 2016 um ano ícone da corrupção na região, uma vez que tantas pessoas próximas ao poder em tantos países ao mesmo tempo nunca foram acusadas. É por isso que a percepção que os latino-americanos têm da corrupção aumentou.

No entanto, isto não significa que a própria corrupção tenha aumentado. Na verdade, a maioria dos atos não aconteceu no último ano. No caso da Odebrecht, o pagamento de propinas se espalhou por mais de 15 anos e alguns dos casos que vieram à tona como resultado do vazamento do Panama Papers datam da década de 1970. O que aconteceu é que a pressão dos cidadãos, das instituições judiciais e de algumas organizações internacionais acabou descobrindo o que vem se acumulando há décadas.

De acordo com a Transparência Internacional, a divulgação de histórias de corrupção na região é um sinal de que os países estão combatendo esse fenômeno. E enquanto os cidadãos ficam cada vez mais irritados com cada novo episódio, as possibilidades de roubar e não pagar são cada vez mais escassas.

Foto de Surizar em Trendhype / CC BY-NC

Nossa Newsletter